Rússia acusa EUA de 'desestabilizarem o mundo' com possível visita de Pelosi a Taiwan

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Rússia reagiu nesta terça-feira (2) à possibilidade de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos EUA, fazer uma visita a Taiwan, ilha que a aliada China considera uma província rebelde.

A porta-voz da chancelaria russa, Maria Zakharova, disse que o governo americano tenta desestabilizar o mundo e provocar tensões. "Nem um único conflito foi solucionado nas últimas décadas [pelos EUA], mas muitos foram provocados", escreveu no aplicativo Telegram.

Depois, afirmou a jornalistas que a possível visita da deputada democrata seria uma provocação para pressionar Pequim e que Moscou apoia o princípio de "uma só China" e é contrária à independência de Taiwan.

Pequim e Moscou têm ampliado a parceria militar desde antes da Guerra da Ucrânia e, após a eclosão do conflito, alargaram também as parcerias econômicas, em especial devido às sanções impostas pelo Ocidente.

A China não condenou a Rússia pela invasão da Ucrânia, nem impôs sanções. O posicionamento do país, reiterado pela chancelaria nesta segunda, é o de pedir que os países cessem os ataques e prezem o diálogo e que a comunidade internacional crie condições para isso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos