Rússia bombardeia região de Donetsk em aparente mudança nos objetivos da guerra

Igreja destruída na região de Donetsk

Por Vladyslav Smilianets

PERTO DE BAKHMUT, Ucrânia (Reuters) - As forças russas bombardearam toda a linha de frente na região de Donetsk, no leste da Ucrânia, disseram autoridades ucranianas, parte do que parece ser a ambição reduzida do Kremlin de assegurar apenas a maior parte do território que tem reivindicado.

Os combates mais violentos ocorreram perto das cidades de Bakhmut e Avdiivka, disse o governador da região, Pavlo Kyrylenko, em entrevista à televisão. Cinco civis foram mortos e dois feridos no dia anterior em partes de Donetsk controladas pela Ucrânia, disse ele nesta sexta-feira.

"Toda a linha de frente está sendo bombardeada", declarou ele, acrescentando que as tropas russas também estão tentando avançar perto de Lyman, que foi recapturada pelas forças ucranianas em novembro, um dos vários reveses no campo de batalha sofridos pela Rússia nos últimos meses.

Em Bakhmut e em outras partes da região de Donetsk vizinhas à província de Luhansk, as forças ucranianas responderam com uma série de foguetes, disse uma testemunha da Reuters.

"Os russos intensificaram seus esforços em Donetsk e Luhansk", disse o conselheiro presidencial ucraniano Oleksiy Arestovych em um post de vídeo.

"Eles estão agora em uma fase muito ativa de tentar conduzir operações ofensivas. Não estamos avançando para lugar nenhum, mas sim defendendo, destruindo a infantaria e o equipamento do inimigo onde quer que ele tente avançar."

Em um relatório nesta sexta-feira, o Estado-Maior ucraniano disse que suas forças atacaram posições russas e pontos de concentração de tropas em pelo menos meia dúzia de cidades no sul da Ucrânia.

As perdas russas totalizaram cerca de 240 feridos, com três depósitos de munição e vários equipamentos militares destruídos, acrescentou.

A Reuters não conseguiu verificar os relatos do campo de batalha.

OBJETIVOS DE GUERRA MUDADOS?

O presidente Vladimir Putin deu declarações conflitantes sobre os objetivos da guerra, mas agora está claro que os objetivos incluem alguma expansão das fronteiras da Rússia. Isso contrasta com os comentários no início da "operação militar especial" da Rússia em fevereiro, quando ele disse que seus planos não incluíam a ocupação de terras ucranianas.

Putin repetiu nesta sexta-feira sua acusação de que o Ocidente está "explorando" a Ucrânia e usando seu povo como "bucha de canhão" em um conflito com a Rússia, e que o desejo do Ocidente de manter seu domínio global está aumentando os riscos de conflito.

"Eles deliberadamente multiplicam o caos e agravam a situação internacional", disse Putin em uma mensagem de vídeo para uma cúpula de ministros da Defesa da Organização de Cooperação de Xangai e um grupo de ex-estados soviéticos.

O Kremlin afirmou na quinta-feira que estava decidido a garantir pelo menos a maior parte dos territórios no leste e no sul da Ucrânia, mas parecia desistir de tomar outras terras no oeste e nordeste que a Ucrânia recapturou.

A Rússia proclamou em outubro que havia anexado quatro províncias logo após realizar os chamados referendos que foram rejeitados como falsos e ilegais pela Ucrânia, o Ocidente e a maioria dos países nas Nações Unidas.