Rússia concorda em iniciar conversas sobre segurança com EUA no início do ano

·1 min de leitura
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, fala com jornalistas em Nova Délhi

MOSCOU (Reuters) - A Rússia iniciará conversas com negociadores dos Estados Unidos sobre garantias de segurança que quer do Ocidente no início do próximo ano, disse o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, nesta quarta-feira em meio a preocupações com um acúmulo de soldados russos perto da fronteira com a Ucrânia.

Kiev e o Ocidente acusam a Rússia de estar cogitando um novo ataque à Ucrânia já no começo do mês que vem. Moscou nega, apesar de posicionar dezenas de milhares de soldados em postos de passagem mais próximos do território ucraniano.

Na terça-feira, o presidente Vladimir Putin disse que a Rússia não tem espaço para recuar no impasse com os EUA sobre o que o governo russo vê como a ajuda militar norte-americana inaceitável à Ucrânia e que será forçada a adotar uma reação dura, a menos que o Ocidente descarte sua "linha agressiva".

Ele disse que seu país quer garantias de segurança obrigatórias de que certas armas ofensivas não serão enviadas a países que fazem divisa com a Rússia e que a aliança militar Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) interrompa sua expansão rumo ao leste.

A Rússia apresentou aos EUA uma lista detalhada de garantias de segurança que quer do Ocidente.

"Está combinado que, logo no início do próximo ano, um contato bilateral entre negociadores americanos e os nossos se tornará a primeira rodada (de conversas)", disse Lavrov.

(Por Maria Kiselyova; reportagem adicional de Idrees Ali em Washington)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos