Rússia detém aliados de Navalny na véspera de protestos em massa

Tom Balmforth e Anton Zverev
·1 minuto de leitura
Prisão onde Alexei Navalny está detido

Por Tom Balmforth e Anton Zverev

MOSCOU (Reuters) - A polícia da Rússia deteve aliados de Alexei Navalny nesta terça-feira e fez buscas em dois escritórios do crítico do Kremlin aprisionado, disseram seus apoiadores, um dia antes dos protestos em massa que estes planejam realizar por causa de sua saúde debilitada.

Navalny, o crítico mais rigoroso do presidente russo, Vladimir Putin, entrou em greve de fome em 31 de março para exigir acesso a cuidados médicos melhores. Ele foi transferido para uma prisão com um hospital no domingo, e seus apoiadores dizem temer por sua vida.

Agora o político opositor de 44 anos está sendo mantido em uma cela de uma pessoa no hospital de uma prisão de segurança máxima, e não recebe nenhum tratamento além de glicose na veia, disse seu advogado, Vadim Kobzev, depois de visitá-lo.

Enfermeiros tentaram lhe dar mais medicamento intravenoso diversas vezes na segunda-feira, mas não conseguiram encontrar uma veia, disse ele.

"Os 'procedimentos de tratamento' pararam nisso. Não há mais nada, não acreditem em uma palavra de nenhum deles", tuitou Kobzev.

O serviço prisional estatal informou que seu estado é satisfatório e que ele concordou em receber uma "terapia de vitaminas". A mídia estatal russa acusa Navalny de fingir seus problemas médicos para chamar atenção para seu caso.

Em uma postagem de Instagram publicada por seus advogados, Navalny disse que parece um esqueleto cambaleando pela cela e que está usando um documento jurídico para espantar mosquitos.

Aliados de Navalny planejam ir às ruas de Moscou e de cidades de todo o país na noite de quarta-feira.