Rússia diz que 10 mil voluntários se apresentam para combate antes de mobilização

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2019 - O presidente russo, Vladimir Putin, chega para participar de reunião do Brics, no Palácio do Itamaraty, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2019 - O presidente russo, Vladimir Putin, chega para participar de reunião do Brics, no Palácio do Itamaraty, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Rússia afirmou que cerca de 10 mil voluntários compareceram nesta quinta-feira (22) em alistamento militar da mobilização parcial anunciada por Vladimir Putin —antes mesmo que documentos de convocação fossem expedidos pelo governo.

A presença contrasta com os relatos de corrida às fronteiras desde quarta (21), após o pronunciamento do presidente. A busca por passagens aéreas com destino a países vizinhos disparou.

A convocação às Forças Armadas foi a maior desde a Segunda Guerra Mundial, levando a protestos contra a operação militar em 38 cidades. Segundo entidades independentes, mais de 1.300 manifestantes foram presos —alguns, inclusive, teriam sido obrigados a comparecer aos quartéis de alistamento.

Putin espera que, com o chamamento, cerca de 300 mil homens treinados fortaleçam o corpo militar da Rússia e revigorem a ofensiva na Ucrânia. Nas últimas semanas, Kiev fez significativos avanços e retomou territórios controlados por Moscou desde o início da guerra.