Rússia diz que mísseis de longo alcance dos EUA para Kiev cruzariam "linha vermelha"

Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia Maria Zakharova

MOSCOU (Reuters) - O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse nesta quinta-feira que, se os Estados Unidos decidirem fornecer a Kiev mísseis de longo alcance para sistemas Himars fabricados nos EUA em uso pela Ucrânia, o país cruzará uma "linha vermelha" e se tornará "parte no conflito".

Em um briefing, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, acrescentou que a Rússia "se reserva o direito de defender seu território".

Washington forneceu à Ucrânia foguetes avançados que podem atingir alvos a até 80 km de distância, mas até agora não anunciou publicamente que enviaria foguetes com mais que o dobro desse alcance. Autoridades dos EUA dizem que a Ucrânia prometeu não usar foguetes dos EUA para atacar o território russo.

"Se Washington decidir fornecer mísseis de longo alcance para Kiev, estará cruzando uma linha vermelha e se tornará uma parte direta do conflito", disse Zakharova.

A Ucrânia solicitou e recebeu grandes quantidades de armas dos Estados Unidos e de outros aliados ocidentais para ajudá-la a resistir às Forças Armadas russas que foram enviadas à Ucrânia em fevereiro.

Moscou diz que enviou tropas para evitar que a Ucrânia seja usada como plataforma para agressão ocidental e para defender os falantes de russo. Kiev e seus aliados ocidentais descartam esses argumentos como pretextos infundados para uma guerra de agressão ao estilo imperial.

(Reportagem da Reuters)