Rússia e Ucrânia sinalizam continuidade da guerra no 100º dia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No centésimo dia da Guerra da Ucrânia, um festival de obviedades proferidas pelos principais atores do conflito ajuda a sustentar a avaliação de que a crise está distante de ter uma solução.

A começar pela Rússia, que invadiu o vizinho em 24 de fevereiro, lançando a maior ação militar na Europa desde que os soviéticos tomaram Berlim enquanto os Aliados avançavam a oeste contra os nazistas, em 1945.

"Um dos principais objetivos da operação é proteger as pessoas das repúblicas populares de Donetsk e de Lugansk. Medidas foram tomadas para isso e alguns resultados foram alcançados. Este trabalho vai continuar até que se alcancem todos os objetivos", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Ele está certo, parcialmente. Seu chefe, o presidente Vladimir Putin, colocou a dita libertação desses territórios separatistas no leste ucraniano como uma de suas prioridades, e o violento assalto que já tomou 90% de Lugansk, segundo a avaliação britânica, vai no caminho disso -o que "libertar" significa, e modus operandi, são outras questões.

Peskov obviamente não falou dos fracassos da primeira fase da guerra em tomar Kiev e Kharkiv, as maiores cidades do país, e as dificuldades que as forças russas enfrentam em campo. Ou da promessa de não tomar território para si, enquanto já conquistou boa parte do sul do país e estabeleceu um corredor entre o Donbass e a Crimeia anexada em 2014.

Mas falou sobre as acusações de que Putin está levando a fome à África, dado o bloqueio da saída de grãos ucranianos pelo mar Negro. Soluções criativas e favoráveis ao Kremlin estão na mesa, e o presidente russo encontrará uma delegação da União Africana nesta sexta (3) para discutir o assunto.

Do lado ucraniano, um vídeo de 36 segundos resumiu o que o presidente Volodimir Zelenski tem dito de forma cada vez menos convincente. "A vitória será nossa. Os representantes do Estado estão aqui, defendendo a Ucrânia há 100 dias", disse, ao lado de autoridades de seu governo.

Novamente, verdade parcial. A resistência ucraniana, alimentada por armas ocidentais, tem sido elogiada até por observadores russos, que consideram que Putin subestimou o adversário. Para fins de TikTok e redes de TV ocidentais, Zelenski já logrou sair herói da crise.

Arte HTML5/Folhagráfico/AFP https://arte.folha.uol.com.br/mundo/2022/06/02/dia-99-guerra-na-ucrania/ *** Mas isso não resolve o problema real, que é o fato de que os cerca de 20% de território perdidos dificilmente voltarão a ser ucranianos, ainda que Putin não obtenha uma vitória.

Os oito anos de guerra civil no Donbass, iniciada após a Rússia anexar sem dar um tiro a Crimeia, mostram isso. O risco de as linhas se estabilizarem em algum ponto é grande, como disse nesta sexta (3) o ministro da Defesa da Ucrânia, ao avaliar os reforços russos na região sulista de Kherson.

Talvez menos do que uma negociação, possa haver um congelamento da guerra no estilo Donbass. Coube a um desconhecido funcionário da ONU (Organização das Nações Unidos), o coordenador para a crise na Ucrânia Amin Awad, resumir.

"Essa guerra não terá um ganhador", afirmou o sudanês, em nota. Ele falava sob o impacto das milhares de mortes e do "fenômeno sem precedente" de 14 milhões, de 44 milhões de ucranianos, deslocados de suas casas --ao menos 4,7 milhões para fora do país.

Mas é também uma assertiva política. Assim como outra, feita também nesta sexta pela porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, que joga uma luz histórica sombria no debate sobre os efeitos da guerra no ambiente de segurança europeu.

"Berlim definiu um curso de acelerada remilitarização do país. Como isso pode acabar? Infelizmente, isso é bem conhecido da história", disse. A União Soviética, país do qual a Rússia é a herdeira legal, perdeu 27 milhões de cidadãos lutando contra a Alemanha nazista de 1941 a 1945.

Como resposta à guerra, os alemães triplicaram seu gasto de defesa neste ano, adicionando um fundo de EUR 100 bilhões (mais de R$ 500 bilhões) para reequipamento com caças, helicópteros e blindados. Antes, a Rússia havia criticado duramente os EUA por prometerem mísseis avançados a Kiev, citando o risco de um embate entre as potências nucleares.

Houve vários impactos da guerra no continente. Entre eles, a explicitação do papel ambíguo da Turquia, a tentativa de entrada da Finlândia e da Suécia na Otan, a divisão entre os membros do Leste Europeu da aliança militar, Berlim/Paris e EUA/Reino Unido. Isso para não falar sobre a disputa acerca dos embargos ao petróleo e gás russos, que obrigou malabarismos para acomodar aliados de Putin como a Hungria.

Mundo afora, os 100 dias de guerra mudaram o cenário geopolítico, com a China buscando posicionar-se como aliada de Putin, promotora da paz e desafiante de Washington pelo espólio da crise ao mesmo tempo. Na economia, a pressão inflacionária da crise energética e de alimentos gera temores de uma recessão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos