Rússia lança segunda ofensiva em duas semanas na Ucrânia

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2019 - O presidente russo, Vladimir Putin. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2019 - O presidente russo, Vladimir Putin. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério da Defesa da Rússia anunciou neste sábado (21) que iniciou uma ofensiva em Zaporíjia, no sul da Ucrânia, conquistando algumas cidades e estabelecendo novas posições na região.

É o primeiro avanço russo na área em meses, após a estabilização da frente no primeiro semestre de 2022. Nos últimos dias, o governo em Kiev havia dito que os combates estavam se intensificando por lá, sem dar muitos detalhes.

Oficialmente, os russos não falam em números, mas blogueiros militares que são usados pelas Forças Armadas para passar recados públicos dizem que houve ataque a 21 cidadezinhas ou vilas, com pelo menos 7 delas caindo sob controle de Moscou.

É mais um ponto de pressão para o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski. Na semana retrasada, os russos conseguiram avançar rumo a Bakhmut, cidade estratégica vista como central para o controle dos cerca de 40% da província de Donetsk (leste) que ainda estão sob controle da Ucrânia.

Para o Kremlin, trata-se de uma nova boa notícia após uma sequência de derrotas a partir de setembro. Ainda não é possível mensurar até onde irá o ataque, é claro. Zaporíjia, assim como a vizinha Kherson (sul) e o Donbass (Donetsk e Lugansk) foram anexados ilegalmente pelo Kremlin, mesmo sem total domínio dos russos.

O presidente Vladimir Putin já disse que qualquer negociação para o fim da guerra passa pelo reconhecimento das "novas realidades territoriais", ou seja, a anexação dessas áreas, que com a Crimeia absorvida em 2014 somam mais de 20% da Ucrânia. Por óbvio, Kiev se nega, mas até há pouco estava em uma posição mais otimista em campo.

A ação em Zaporíjia visa tomar o naco norte da província, que nunca caiu para os russos. A região é famosa por sediar a maior usina nuclear da Europa, que segue sob controle das tropas de Moscou desde as primeiras semanas do conflito e se tornou objeto de temores de contaminação radioativa após a instalação se tornar alvo de fogo cruzado.

Em Kiev, Zelenski participou de um memorial em homenagem ao ministro do Interior, Denis Monastirski, morto em uma queda de helicóptero na quarta-feira (18). O acidente deixou 14 mortos, incluindo outros funcionários do governo ucraniano.

Também neste sábado, um assessor da presidência ucraniana reforçou os pedidos de ajuda militar para conter a ofensiva de Moscou. Na véspera, aliados ocidentais fracassaram em chegar a um acordo para o envio de tanques Leopard-2, de fabricação alemã, para apoiar as tropas de Kiev.

"Vocês acabarão ajudando a Ucrânia com as armas necessárias de toda forma e perceberão que não há outra opção para pôr fim a essa guerra a não ser a derrota da Rússia", escreveu Mikhailo Podoliak no Twitter. "Mas a indecisão de hoje está matando mais o nosso povo. Cada dia de atraso representa a morte de ucranianos. Pensem mais rápido".

O fornecimento dos Leopard-2, o tipo de blindado mais usado na Europa, tem sido barrado pela Alemanha -tecnicamente, operadores do tanque germânico têm de pedir permissão a Berlim para exportá-los. Até aqui, o governo do premiê Olaf Sholz vem evitando aumentar a sua participação na guerra por temer uma escalada no conflito que possa levar a uma Terceira Guerra Mundial.

Até aqui, o Kremlin vem repetidamente acenando com sua carta nuclear a fim de dissuadir o Ocidente de enviar armas mais pesadas para o conflito. Na quinta (19), o ex-presidente Dmitri Medvedev, representante da linha dura do Kremlin, Dmitri Medvedev, alertou no Telegram que "a derrota de uma potência nuclear numa guerra convencional pode levar a uma guerra nuclear".