Rússia nega envolvimento em ciberataque contra Yahoo!

Os dois agentes foram identificados como Dmitry Dokuchaev e Igor Sushchin, que fariam parte do órgão de inteligência que substituiu a KGB

O Kremlin negou nesta quinta-feira qualquer envolvimento russo em um ciberataque em massa contra o grupo de internet Yahoo! atribuído pelas autoridades americanas a dois membros dos serviços secretos russos (FSB).

"É impossível que uma administração russa, incluindo o FSB, esteja oficialmente envolvida em atos ilegais no ciberespaço", declarou à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

"A Rússia deseja sempre, e já demonstrou em vários níveis, cooperar na luta contra os crimes cibernéticos com o objetivo de garantir a segurança do ciberespaço", afirmou Peskov.

As autoridades americanas anunciaram na quarta-feira o indiciamento de quatro pessoas, incluindo dois integrantes do Serviço Federal de Segurança (FSB), Dmitry Dokuchaev e Igor Sushchin, e dois hackers por um ataque cibernético em massa contra o grupo de internet Yahoo revelado ano passado.

Um dos hackers acusados, Karim Baratov, foi detido na terça-feira no Canadá.

De acordo com a imprensa, Baratov tem dupla cidadania canadense-cazaque, mas segundo o ministério das Relações Exteriores do Cazaquistão em 2011 ele teve a nacionalidade anulada.

O russo Alexeï Belan ("Magg"), também acusado pelas autoridades americanas, já estava na lista de hackers mais procurados dos Estados Unidos.

De acordo com as autoridades, os espiões russos "protegeram, dirigiram e pagaram hackers criminosos" para realizar a invasão do Yahoo, que tinha por objetivo final chegar a jornalistas e membros do governo.

Segundo essas fontes, Dokuchaev e Sushchin contrataram Alexsey Belan e Karim Baratov para realizar a invasão, que foi descoberta no ano passado.

Os agora acusados "tinham como objetivo as contas no Yahoo de funcionários dos governos dos Estados Unidos e da Rússia, incluindo pessoal da cibersegurança, diplomatas e militares", afirmou a secretária adjunta da Justiça, Mary McCord.

Também buscavam atingir "jornalistas russos, funcionários de outras redes que eles queriam invadir e empregados de entidades comerciais e de serviços financeiros", afirmaram as autoridades do Departamento de Justiça.

O ciberataque ao Yahoo é considerado um dos mais ambiciosos realizados e, desde o ano passado, as autoridades afirmavam que por trás da invasão havia uma "nação-estado".