Rússia nega estar por trás de ataques cibernéticos na Colômbia

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O ministro colombiano da Defesa, Diego Molano

A embaixada da Rússia negou nesta sexta-feira as acusações do ministro da Defesa da Colômbia que vinculam Moscou a ataques contra sites oficiais ocorridos durante os protestos sangrentos contra o governo colombiano, que já duram 23 dias.

"Rejeitamos completamente essas declarações. Tais acusações sérias contra o nosso país, que consideramos totalmente infundadas e não apoiadas por provas, não contribuem de forma alguma para o desenvolvimento das relações tradicionalmente amigáveis entre Rússia e Colômbia", ressaltou a representação diplomática.

O coletivo Anonymous reivindicou a autoria de um ataque cibernético que derrubou por horas as páginas do Exército e do Senado na primeira semana de manifestações na Colômbia. O ministro da Defesa, Diego Molano, afirmou em entrevista ao jornal espanhol "El Mundo" que "os ataques realizados têm origem, particularmente, na Rússia".

Em entrevista ao jornal "El Tiempo", Molano insistiu hoje em que "há informações nas redes sociais sobre diversos ataques e mobilizações a partir da Rússia". A embaixada russa expressou uma "profunda perplexidade" com as declarações.

dl/vel/yow/lb