Rússia pode levar a colapso do mundo como o conhecemos, diz Zelenska

DAVOS, SUÍÇA (FOLHAPRESS) - O mundo deve se unir pela paz. Foi o apelo de Olena Zelenska, primeira-dama da Ucrânia, ao discursar no encontro anual do Fórum Econômico Mundial, em Davos, nesta terça-feira (17).

Em tom emocional, a esposa do presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, explicitou os riscos de o conflito com a Rússia, que está perto de completar um ano, expandir-se para além das fronteiras ucranianas.

"Não há limites para a Rússia", disse Zelenska, que entregou cartas do marido a vários líderes presentes em Davos, entre eles o vice-primeiro-ministro da China, Liu He.

"Como o mundo pode alcançar a neutralidade climática se não pode impedir a agressão russa?", questionou a primeira-dama ao descrever dramas humanos causados pelos ataques de mísseis e drones russos.

"Essa agressão pode desaguar em uma ameaça mundial e no colapso do mundo como conhecemos e aspiramos", afirmou, citando como exemplos a crise de refugiados, a ameaça nuclear e o aumento do custo de vida, além da morte de milhares de civis.

O apelo da primeira-dama encontrou eco nas palavras da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no mesmo palco em Davos.

Após elogiar o povo da Ucrânia por sua "coragem moral e física", Von der Leyen lembrou que a "Europa se uniu quando mais importava" e que "estará sempre com os ucranianos".

A presidente também reiterou o anúncio da Comissão Europeia na segunda-feira de que está entregando EUR 3 bilhões (R$ 16,7 bi) em ajuda financeira à Ucrânia, parte de um pacote de apoio de EUR 18 bilhões em 2023.