Rússia quer Reino Unido e França em discussões mais amplas sobre armas nucleares

·1 minuto de leitura
Vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, ao lado do vice-ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Ryabkov, em Genebra

MOSCOU (Reuters) - A Rússia afirmou nesta quinta-feira que queria que Reino Unido e França fossem incluídos em discussões sobre controle de armas mais amplas com os Estados Unidos e que Washington deseja que a China seja incluída.

Autoridades de alto escalão dos EUA e da Rússia se reuniram em Genebra na quarta-feira para reiniciar conversas para aliviar as tensões entre as maiores potências nucleares do mundo.

O embaixador da Rússia em Washington, Anatoly Antonov, disse que era inevitável que as potências em algum momento discutissem ampliar as conversas sobre controle de armas para incluir outros países, e que Moscou via o Reino Unido e a França como prioridades nesse sentido.

"Esta questão ganhou uma relevância especial depois da decisão recente de Londres de aumentar o nível máximo de ogivas nucleares em 40% --para 260 unidades", afirmou Antonov, em comentários publicados pelo Ministério das Relações Exteriores na quinta-feira.

Em comentários separados, o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, disse que os Estados Unidos querem que a China seja incluída em conversas mais amplas sobre o controle de armas nucleares, segundo a agência de notícias Interfax.

(Por Maria Kiselyova)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos