Rússia reforça suas tropas após avanço ucraniano no nordeste

O exército russo anunciou nesta sexta-feira (9) que enviou reforços à região ucraniana de Kharkiv, em resposta a um aparentemente bem-sucedido avanço das forças de Kiev nesta zona de fronteira com a Rússia.

Autoridades ucranianas afirmaram na quinta-feira que reconquistaram nos últimos dias cerca de 700 km2 na região nordeste, especialmente na cidade de Balaklia, além de vinte localidades.

O secretário americano de Estado, Antony Blinken, afirmou na quinta que o envio de reforços russos demonstra que Moscou paga um "alto preço" pela invasão da Ucrânia, lançada há mais de seis meses.

O Ministério russo de Defesa anunciou a mobilização de forças nesta região e divulgou um vídeo que mostra vários caminhões militares transportando canhões e blindados.

O funcionário da administração da ocupação russa Vitali Ganchov mencionou na televisão estatal "combates ferozes" em torno da cidade de Balaklia.

"Já não controlamos Balaklia. Estamos tentando dispersar as forças ucranianas, mas os combates estão intensos e nossas tropas permanecem nos arredores", afirmou.

- "Romper as defesas" -

Segundo Ganchov, combates também são travados nas proximidades de Shevchenkove, na mesma região de Kharkiv. "Neste local, as forças armadas ucranianas também tentam romper as defesas. Foram enviados reforços da Rússia, nossas tropas estão reagindo", afirmou.

A rodovia sudeste que liga Kharkiv a Balaklia estava aberta à circulação na manha desta sexta, constatou a AFP.  Trata-se de uma área que o exército ucraniano parece ter reconquistado após combates nos últimos dias.

Kharkiv, capital da região homônima e segunda cidade da Ucrânia (depois da capital Kiev) fica muito próxima à fronteira com a Rússia e esteve na linha de frente desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro.

Além do avanço na região, Kiev reivindicou uma série de reconquistas no leste e sul, com vários territórios retomados. Se confirmadas, seriam as mais importantes para a Ucrânia desde a retirada das tropas russas dos arredores de Kiev, no final de março.

Na bacia do Donbass (leste), onde se travaram os mais intensos combates nos últimos meses, Kiev anunciou na quinta-feira um avanço de 2 a 3 quilômetros em direção a Kramatorsk e de Sloviansk e ter retomado o povoado de Ozerne.

- Unidade da Otan -

Em Bajmut, 45 km ao norte, oito civis morreram e 17 ficaram feridos em bombardeios russos na quinta-feira.

"Vinte casas, seis edifícios, quatro lojas, a Casa de Cultura e o centro administrativo foram danificados", informou o governador regional Pavlo Kirilenko.

O mercado da cidade também ficou "sob o fogo" da artilharia da Rússia, acrescentou.

O secretário de Estado de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, elogiou as recentes conquistas da Ucrânia e destacou que as recentes entregas ocidentais de armas conseguiram "mudar a dinâmica no campo de batalha".

"Vemos vitórias em Kherson, em Kharkiv e tudo isto é muito animador", afirmou Austin em Praga.

Blinken viajou a Bruxelas para participar da reunião da Otan para reforçar a "unidade" de seus membros, com o objetivo de "garantir que nossa aliança seja forte o necessário para dissuadir a Rússia de qualquer nova agressão."

bur-alf/pop/me/js/jc