Rússia registra mais de 10.000 casos de COVID-19 pelo terceiro dia consecutivo

Profissional da saúde sai de uma barraca de um ponto de teste para o coronavírus no centro de Moscou, em 2 de maio de 2020

A Rússia registrou nesta terça-feira (5) um novo salto de mais de 10.000 casos de coronavírus em 24 horas, pelo terceiro dia consecutivo, a progressão mais rápida da pandemia na Europa.

O país tem agora 155.370 casos e 1.451 mortes. O primeiro-ministro Mikhail Michustine anunciou na quinta-feira que contraiu a COVID-19. "Sente-se bem em geral", afirmou o porta-voz de seu gabinete, Boris Beliakov.

O tratamento de Michustine acontece "como estava previsto" em um hospital público, explicou, antes de informar que o primeiro-ministro "conversa ativamente com seus colegas por telefone".

Enquanto muitos países europeus começam a sair do confinamento de forma gradual, a Rússia registra um avanço da pandemia muito mais acelerado que em outras áreas da Europa.

Porém, a taxa de mortalidade continua sendo baixa em comparação com países como Itália, Espanha ou Estados Unidos.

As autoridades indicam que isto se deve ao rápido fechamento das fronteiras, a mais de quatro milhões de testes e ao acompanhamento das infecções. Mas algumas vozes críticas questionam os números.

De acordo com um balanço da AFP, o país ocupa o 18º lugar na lista mundial de mortes por coronavírus e o 7º em número de casos.

A Rússia, no entanto, se prepara para a suspensão gradual das medidas de confinamento a partir de 12 de maio.