Rússia sinaliza oposição a possível corte de produção de petróleo da Opep+, diz WSJ

(Reuters) - A Rússia não apoia um corte de produção de óleo neste momento e é provável que a Opep+ mantenha sua produção estável quando se reunir na segunda-feira, de acordo com uma reportagem do Wall Street Journal publicada neste domingo, citando pessoas com conhecimento do assunto.

Três fontes da Opep+ disseram à Reuters semana passada que o grupo deve manter suas cotas de produção sem mudanças para outubro durante a reunião de segunda-feira, embora algumas fontes não descartem um corte de produção para aumentar preços que caíram de patamares muito altos anteriormente neste ano.

No mês passado, a grande produtora da Opep, Arábia Saudita, sinalizou a possibilidade de cortes para equilibrar o mercado.

A Rússia está preocupada que um corte de produção sinalizaria aos compradores de petróleo que o fornecimento de óleo está superando a demanda global, segundo a reportagem do Wall Street Journal.

A Opep+, um grupo que é composto pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados, como a Rússia, se reunirá no momento em que a demanda enfrenta ventos contrários e em que o fornecimento pode ser reforçado por um retorno ao mercado de óleo iraniano, se Teerã fechar um acordo com potenciais mundiais em torno do seu trabalho nuclear.

Semana passada, o Grupo dos Sete países ricos, conhecido como G7, concordou em impor um teto de preço ao petróleo russo, mas deu poucos novos detalhes sobre o plano para limitar receitas à guerra de Moscou na Ucrânia e ao mesmo tempo manter o fluxo de óleo para evitar aumento de preços.

(Reportagem de Akriti Sharma em Bengaluru)