Rússia suspende uso de respiradores vinculados a incêndio em hospitais

Profissional de saúde no hospital Saint George, em São Petersburgo, após o incêndio registrado em 12 de maio de 2020

As autoridades russas suspenderam nesta quarta-feira (13) o uso de um modelo de respirador que pode estar relacionado a dois incêndios registrados em hospitais com pacientes com coronavírus.

O uso dos respiradores Aventa-M está suspenso, afirmou o órgão de vigilância sanitária Roszdravnadzor, após o falecimento de cinco pacientes de terapia intensiva em um incêndio em um hospital de São Petersburgo na terça-feira. Outro paciente morreu em um incidente similar em um hospital de Moscou.

Segundo as autoridades, esses acidentes foram causados por um "curto-circuito" nos respiradores Aventa-M, que estão sendo fabricados na Rússia desde 1º de abril. Mais de 7.000 unidades seriam entregues a hospitais russos até o fim do ano.

Dezenas desses modelos de respiradores também foram enviados para os Estados Unidos em abril para ajudar o país em sua luta contra a pandemia. De acordo com jornais russos e americanos, eles não foram usados e serão devolvidos para a Rússia em breve.

Os respiradores artificiais são cruciais para salvar vidas, pois permitem a ventilação artificial dos pulmões de pacientes que sofrem de pneumonia grave causada pelo novo coronavírus.

A Rússia é o segundo país no mundo mais afetado pela pandemia, atrás dos Estados Unidos, com 242.271 casos de contágio. A taxa de mortalidade permanece relativamente baixa em relação ao número de infecções. Segundo dados oficiais, o país registra 2.116 óbitos até o momento.