Raça da gata solta na mata após engano de bombeiros em MG custa até R$ 130 mil

Um engano na identificação de um animal pelos bombeiros de Minas Gerais nesta terça-feira acabou fazendo com que uma gata de estimação acabasse sendo capturada nas dependências de um condomínio em Vila da Serra, no município de Nova Lima (MG), e solta na mata, como se fosse um felino selvagem. Tratava-se, porém, de uma gata Bengal, avaliada em R$ 7 mil. Também chamada de gato-de-bengala, essa raça é a terceira mais cara do mundo, segundo um levantamento do portal A-Z Animals divulgado em novembro. Seu valor pode alcançar US$ 25 mil (cerca de R$ 130 mil).

Bullying: você sabe qual é a hora de trocar seu filho da escola?

Estudo: superbactérias se multiplicaram em um dos principais rios de MG depois da tragédia de Brumadinho

O Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) informou, em comunicado à imprensa, ter sido acionado na madrugada de terça-feira para efetuar a captura de um filhote de onça.

A corporação disse, citando "informações dos solicitantes", que o animal estava perto de uma área de lazer do condomínio havia "cerca de dois dias", aparentando estar "muito agressivo e acuado". No entanto, segundo o dono da gata, Luiz Augusto Machado, ela fugiu apenas na noite de segunda-feira.

"A guarnição de bombeiros esteve no local com intuito de eliminar o risco aos moradores, que se sentiram ameaçados de um possível ataque do felídeo. Chegando no local, a guarnição identificou que não se tratava de uma onça, mas de um gato (aparentemente gato-do-mato)", afirma a nota dos bombeiros, confundindo a raça Bengal com um felino selvagem.

Ao fazer a captura, o CBMMG disse que não foi encontrada no animal "nenhuma identificação do tutor visível por coleira ou outro dispositivo". Luiz Augusto, entretanto, afirmou que a gata possui um "microchip de identificação".

"Por não se tratar de onça, os militares buscaram informações com os vigilantes do condomínio, se haviam recebido alguma denúncia de animal perdido. Eles relataram que o referido animal não era de nenhum morador do local", acrescentaram os bombeiros. "Após capturado em segurança e ileso, uma vez que não apresentava ferimentos e estava aparentemente saudável, e por apresentar características de animal doméstico, foi solto em local mais afastado fora do condomínio em uma área de mata, conforme o protocolo padrão".

Em seguida, a corporação relatou que "uma pessoa alegando ser o tutor do animal, fez contato via COBOM (193), para saber o paradeiro do animal que havia fugido de casa".

De noite, a gata foi localizada por pessoas que ajudavam Luiz Augusto na procura e já foi devolvida a ele.

Confira a seguir o top 5 das raças de gato mais caras do mundo, em levantamento do A-Z Animals, datado de 5 de novembro de 2022:

1. Ashera: US$ 22 mil (R$ 115 mil) — US$ 125 mil (R$ 655 mil)

Raça desenvolvida pela manipulação genética entre felinos selvagens (serval e leopardo asiático) e gatos domésticos.

São propositalmente inférteis, conforme criação em laboratório de uma empresa na Califórnia, nos EUA.

São desenvolvidos cerca de 100 gatos ashera por ano.

2. Savannah: US$ 10 mil (R$ 52 mil) — US$ 25 mil (R$ 130 mil)

Originou-se pelo cruzamento do felino serval africano com um gato doméstico, nos EUA, em 1986.

É considerada uma raça rara devido às diferenças entre os períodos gestacionais do serval e do gato doméstico.

3. Bengal: US$ 3 mil (R$ 15 mil) — US$ 25 mil (R$ 130 mil)

Raça também conhecida como gato-de-bengala.

Originou-se recentemente a partir do cruzamento entre um gato doméstico e o gato-leopardo asiático, de áreas próximas ao Golfo de Bengala, limitado pela península Malaia e o Sri Lanka.

4. Khao Manee: US$ 7 mil (R$ 36 mil) — US$ 11 mil (R$ 57 mil)

Também conhecido como Diamond Eye.

Originária da Tailândia.

Pode apresentar heterocromia, normalmente com um olho azul e outro verde.

Existe há centenas de anos.

5. Sphynx: US$ 900 (R$ 4,7 mil) — US$ 9,8 mil (R$ 51 mil)

Seu nome significa "esfinge".

É mais conhecido como gato pelado canadense, dada sua aparência e seu local de origem.

Sua ausência de pelos resulta de uma mutação genética, tendo surgido a partir de um gene recessivo conhecido como alopecia hereditária.