Ahmadinejad deixa Cuba com apoio a programa nuclear e conversa com Fidel

Adalberto Roque
Raúl Castro disse que a visita de Ahmadinejad foi "muito boa e proveitosa"

O presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, deixou nesta quinta-feira Cuba rumo ao Equador, última escala de sua viagem a países da América Latina, depois de se reunir com Fidel Castro e receber o apoio do presidente Raúl Castro para o "uso pacífico da energia nuclear", em meio a tensões com o Ocidente por seu programa atômico.

O presidente iraniano se despediu de Raúl Castro no aeroporto internacional José Martí de Havana.

"Tivemos ótimas reuniões com o comandante Fidel Castro. Abordamos muitos temas. Foi motivo de grande alegria para mim ver o comandante Fidel são e salvo", disse Ahmadinejad à imprensa por meio de um intérprete antes de entrar em seu avião.

"Vemos que ele acompanha todos os assuntos regionais, mundiais, internacionais com detalhes", indicou o presidente iraniano, acrescentando que "realizamos também boas reuniões e negociações com meu querido irmão presidente Raúl".

Ahmadinejad disse que tratou na quarta-feira com Raúl Castro de "assuntos regionais, bilaterais e internacionais em uma atmosfera cheia de amizade e cordialidade".

"Temos posturas comuns em relação a muitos assuntos regionais e internacionais e vamos dar prosseguimento a todos os assuntos pendentes. No que diz respeito aos assuntos econômicos, nos investimentos, comércios e nas relações culturais também", disse Ahmadinejad.

Já Raúl Castro disse que a visita de Ahmadinejad foi "muito boa e proveitosa", e contou que a reunião entre Fidel e o presidente iraniano, realizada na quarta-feira à noite, durou cerca de duas horas.

"Falou cerca de duas horas com Fidel. Quando perguntei a ele na noite (de quarta-feira) sobre quem havia falado mais, (Ahmadinejad) me disse que Fidel. É uma mostra de que (ele) realmente está muito bem", indicou o presidente cubano.

Em seu encontro, Ahmadinejad e Raúl Castro "ratificaram o compromisso de ambos os países pela defesa da paz, do direito internacional, dos princípios da Carta das Nações Unidas e do direito de todos os estados ao uso pacífico da energia nuclear", indicou nesta quinta-feira um comunicado oficial cubano.

O apoio cubano ao programa nuclear iraniano se somou ao que Ahmadinejad obteve do mandatário venezuelano Hugo Chávez, em Caracas, e do nicaraguense Daniel Ortega, em Manágua, etapas anteriores de sua viagem por nações latino-americanas que mantêm um discurso hostil em relação a Washington.

O Ocidente, que acusa o Irã de tentar se dotar de uma bomba atômica, busca pressionar Teerã com sanções econômicas para que suspenda seu programa nuclear.

Fidel, que agora tem 85 anos, deixou a liderança do país para seu irmão Raúl em 2006 por motivos de saúde. Neste ano recebeu pela primeira vez Ahmadinejad em Havana.

Raúl informou no aeroporto que serão publicados mais dois volumes de uma biografia de Fidel.

"Está muito boa, tem cerca de mil páginas", expressou.