'Racistas não passarão', diz Bruno Covas ao mencionar protestos

·1 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 30.12.2019 - O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), na sala de reuniões da Prefeitura de São Paulo, no Viaduto do Chá, durante entrevista exclusiva para a Folha de São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 30.12.2019 - O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), na sala de reuniões da Prefeitura de São Paulo, no Viaduto do Chá, durante entrevista exclusiva para a Folha de São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), afirmou seu apoio aos protestos contra o racismo por todo o mundo. Ele reconheceu que a capital paulista tem indicadores que revelam grave desigualdade.

"A nossa cidade tem 40% de pretos e pardos e sobre eles pesa a desigualdade. Em todos os indicadores sociais, a desigualdade se revela. Mesmo o impacto do coronavírus é maior na população preta, que tem 37% de risco maior de óbito", disse o prefeito.

O risco de mortalidade nessa população é maior por a maioria viver na periferia e pela presença de comorbidades, como hipertensão e diabetes. O prefeito não anunciou nenhuma ação para combater essas desigualdades, mas disse se solidarizar.

"Nunca passei pelo constrangimento de ter que explicar ao meu filho que ele pode ser vítima de preconceito por causa da cor da sua pele. Mas me solidarizo e dou meu apoio às reivindicações", disse.

"Racistas não passarão", finalizou o prefeito.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos