Rafael Infante resgata sua carreira musical com ‘Lá em casa’, EP feito durante a pandemia: ‘Queria muito colocar no mundo’

·2 minuto de leitura

Sucesso, principalmente, no humor, Rafael Infante tem um lado que nem todo mundo conhece. Antes de se tornar ator, ele já se dedicava à música. Em 2004, fez parte da banda Preto Tu, que se destacou no cenário independente, rodou pelo país realizando shows e foi comentada, inclusive, por Caetano Veloso. Durante a pandemia, Infante decidiu impulsionar esse lado musical, e agora lança o projeto “Lá em casa”, com composições próprias, em que convida amigos para cantar com ele, como se os tivesse recebendo em casa. A primeira faixa do EP já pode ser ouvida nesta sexta-feira (28): “Olha a lua” conta com a participação da cantora Kell Smith.

— As pessoas não estão olhando muito para fora, para os outros, com empatia, para a lua, para as estrelas. Então, a ida à lua nesse momento é sair dessa loucura daqui e olhar para a solução que é se vacinar, se proteger e ter empatia com o outro — explica o artista sobre o single.

Toda a produção, por conta de Matheus Schuch, foi feita de maneira remota, cada um gravando da sua própria casa.

— Esse é um projeto de músicas que estavam “guardadas na gaveta”, mas que fazem parte de mim e eu queria muito colocar no mundo. Na quarentena, surgiu essa possibilidade de fazê-lo. Cada música tem sua essência, pois cada uma teve o seu momento de compor — comenta Rafael, sublinhando que sua paixão pela música corre nas veias: — Muita gente na minha família é músico ou tem ligações musicais.

O também integrante do coletivo Porta dos Fundos se diz ansioso pela resposta do público para esse seu outro talento.

— É uma curiosidade! Não sei como o povo pode reagir a esse meu lado musical... É uma oportunidade de colocá-lo para fora, com muito carinho e alegria. Estou ansioso para ver a reação.

O clipe de “Olha a lua” chega ao canal do artista no Youtube, na próxima segunda-feira (31), com produção e direção de Naum Câmara, que está desenvolvendo o vídeo com cada artista de forma remota, em suas respectivas residências, respeitando os protocolos sanitários da OMS (Organização Mundial da Saúde).