Rafaela Silva pega dois anos de suspensão e pode perder Tóquio-2020

Jonas Moura
Rafaela Silva foi flagrada com substância proibida pela Wada durante o Pan de Lima (Foto: AFP)


A campeã olímpica Rafaela Silva pegou suspensão de dois anos por doping por decisão da Federação Internacional de Judô (IJF, em inglês). Se não conseguir reduzir a pena, ela perderá os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. A informação foi publicada pelo "Globo Esporte" e confirmada pelo LANCE!.

A entidade entendeu que a atleta teve responsabilidade pela ingestão de fenoterol, substância proibida pela Agência Mundial Antidoping (Wada).

A brasileira foi flagrada durante os Jogos Pan-Americanos de Lima, em exame feito no dia 9 de agosto do ano passado. Meses depois, perdeu a medalha de ouro na categoria até 57kg do evento continental.

Rafaela atribuiu o contato com fenoterol, comum em remédios para doenças respiratórias, após brincar com Lara, de sete meses, que toma medicamentos para asma.

O contato com a criança, filha da judoca Flávia Rodrigues, também do Instituto Reação, aconteceu no dia 4 de agosto. A tese da defesa foi de que o fenoterol entrou no organismo de Rafaela após ela ter dado o nariz para a menina chupar, em gesto de brincadeira.

O advogado Bichara Neto trabalhou no caso até a última quinta-feira. O fato de a judoca ter feito sauna na ocasião foi um dos argumentos usados para justificar o resultado analítico adverso. O bioquímico L.C. Cameron reuniu dados para reforçar a tese. Mas as explicações não convenceram o painel da IJF.

Após a suspensão, a atleta informou que passará a ser defendida pelo advogado Marcelo Franklin, especialista em doping. Ele entrará com recurso na Corte Arbitral do Esporte (CAS), última esperança da campeã olímpica na Rio-2016 de reduzir a pena.

No final de agosto, ela voltou a ser testada durante o Campeonato Mundial, em Tóquio, no Japão, quando levou o bronze individual e o bronze por equipes, e os exames não apontaram nenhuma irregularidade.

A brasileira decidiu se colocar em suspensão voluntária a partir do dia 25 de outubro. Por ter sido flagrada com uma substância especificada pela Agência Mundial Antidoping (Wada), a pena não foi automática. Em certos casos, ela pode estar associada à ganho de performance.

Antes, em meio à divulgação do doping, Rafaela chegou a disputar competições e subir ao pódio. Ela conquistou o bicampeonato dos Jogos Mundiais Militares, em Wuhan (CHN), no dia 19 de outubro, e ficou com o bronze no Grand Slam de Brasília, no dia 6 de outubro.

O gancho para doping por fenoterol varia entre uma advertência até dois anos de suspensão se for comprovada a ausência de intenção, mas com algum grau de negligência.

Principal nome do judô brasileiro na atualidade, Rafaela também era uma das maiores apostas do Comitê Olímpico do Brasil (COB) para a Olimpíada do Japão. Ela aparece atualmente em quarto lugar no ranking mundial, dentro da zona de classificação direta para o megaevento.

A Confederação Brasileira de Judô (CBJ) informou em nota que "seguirá acompanhando os desdobramentos do processo legal referente ao caso de doping envolvendo a judoca da seleção brasileira, Rafaela Silva, com a confiança de que a justiça prevalecerá. O texto diz ainda que "Rafaela Silva é campeã olímpica e mundial, exemplo de superação dentro e fora dos tatames e um dos maiores ídolos do esporte brasileiro". A entidade prometeu prestar "o suporte que lhe couber" e avisou que só se pronunciará novamente após a decisão final do processo.