Rainha de bateria da Mocidade passa máquina zero no cabelo e oferece os fios a entidade religiosa: 'Ritual'

·1 min de leitura

Rainha de bateria da Mocidade, Giovana Angélica desfila com o cabelo raspado para representar Oxóssi, orixá protetor da escola e que é tema do enredo da agremiação neste ano. Ela diz que resolveu passar a máquina zero no cabelo depois de ver todos os ritmistas fazerem o mesmo. Na ocasião, ofertou o cabelo para Oxum, num ritual próprio.

— Não tenho apego com a questão visual. A vaidade não existe nesse sentido. Meu apego é apenas espiritual. Fiz um ritual quando raspei o meu cabelo e ofertei os fios a Oxum — ela conta, usando lentes amarelas nos olhos. — Foi uma decisão minha partilhar esse momento com a bateria e raspar o cabelo. Não tinha como ser algo segregado para os ritmistas.

Ao longo do desfile, num "batuque ao caçador", com diz o enredo, a Mocidade pretende apresentar as qualidades de Oxóssi — também agricultor, médico e feiticeiro —, esmiuçando as lendas que cercam a divindade africana.

Há décadas, a comunidade de Padre Miguel pedia para que Oxóssi fosse celebrado na Avenida pela agremiação, já que uma das principais marcas da "Não Existe Mais Quente", bateria da escola, é o toque de caixa em homenagem a Oxóssi.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos