Rainha Elizabeth reduz pena de assassino que enfrentou terrorista

Extra
·2 minuto de leitura

RIO — Condenado por assassinato, um britânico recebeu uma rara redução de pena da rainha Elizabeth II por ter enfrentado um terrorista durante um ataque próximo a Ponte de Londres, em novembro de 2019, segundo uma reportagem do jornal espanhol El País.

Em 2005, Steven Gallant foi condenado a uma pena de 17 anos na prisão pelo assassinato de um ex-bombeiro, Barrie Jackson. Anos depois, em 29 de novembro, enquanto aproveitava um dia fora da detenção, com autorização da Justiça, ele enfrentou o terrorista Usman Khan, que havia matado duas pessoas e ferido outras três em um ataque.

Por causa do ato de Gallant, a rainha decidiu reduzir em 10 meses o tempo de prisão do britânico. A informação foi publicada primeiramente pelo jornal The Mirror.

— [A redução foi concedida] Em reconhecimento às suas ações excepcionalmente corajosas no Fishmonger's Hall [local do atentado], que ajudaram a salvar vidas humanas, apesar do tremendo risco para ele mesmo — anunciou um porta-voz do Ministério da Justiça.

Segundo o El País, no dia do ataque, Gallant participava de um evento sobre reabilitação com outros presos e especialistas da área. O terrorista entrou com uma faca no Fishermonger's Hall e, para enfrentá-lo, o britânico arrancou uma presa de uma baleia narval que estava pendurada na parede e encarou Khan, colocando-o para fora da sala onde estavam.

No entanto, antes de ser morto a tiros pela polícia, Khan matou duas pessoas. Uma delas era um advogado de 25 anos, Jack Merrit, que acompanhava Gallant. O criminoso, de 28 anos, havia sido condenado por um crime relacionado ao terrorismo e estava sob vigilância eletrônica quando cometeu o ataque, de acordo com o jornal espanhol.

Além da redução da pena pela rainha, o ato de Gallant foi apoiado pelo filho do homem que ele fora, junto de outras pessoas, de assassinar em 2005:

— Meus sentimentos são confusos, mas o que aconteceu na Ponte de Londres ajuda a mostrar uma realidade: as pessoas podem mudar — disse o estudante de 21 anos, que acrescentou estar disposta a um dia conhecer Gallant.