Rainha tira todos os títulos de príncipe Andrew

·5 min de leitura

O Príncipe Andrew foi destituído de títulos militares e patronatos reais pela Rainha após um juiz dos EUA determinar que o julgamento do Duque de York por crimes sexuais poderia prosseguir.

Em um comunicado, o Palácio afirmou: "Com a aprovação e o consentimento da Rainha, os títulos militares e os patronatos reais do Duque de York foram devolvidos a ela".

"O Duque de York continuará afastado de todas as funções públicas e defenderá o próprio caso como cidadão."

O príncipe Andrew foi destituído de seus títulos militares e patrocínios reais pela rainha. (Foto: Getty Images)
O príncipe Andrew foi destituído de seus títulos militares e patrocínios reais pela rainha. (Foto: Getty Images)

De acordo com a ITV News, a monarca de 95 anos disse a Andrew pessoalmente na quinta-feira que ele seria destituído dos títulos.

O Palácio tomou essa medida antecipando-se à perspectiva extremamente constrangedora de Andrew enfrentar um processo civil pelas acusações de agressão sexual a Virginia Giuffre, as quais ele desmente. Na quinta-feira, uma fonte próxima ao duque afirmou que ele "continuaria a se defender" das alegações de Giuffre.

O Duque de York não adotará mais o título "Sua Alteza Real", que ele usa desde que nasceu. Isso representa a remoção completa e permanente do duque da vida oficial da monarquia britânica.

Uma fonte da realeza informou à agência de notícias PA que o assunto foi amplamente discutido com a família, tornando provável que o Príncipe de Gales, assim como Andrew, estivesse envolvido em debates críticos sobre a questão.

A fonte comentou que os cargos militares seriam redistribuídos entre outros membros da família real, o que significa que a remoção de Andrew da vida pública é permanente.

Tobias Ellwood, presidente do Comitê Especial de Defesa da Câmara dos Comuns e membro do Parlamento Britânico, celebrou a notícia no podcast Newscast, da BBC.

"O Príncipe Andrew já havia se afastado de diversas funções públicas, e acredito que todos eles também. Desse ponto de vista, acho que isso já era previsto, então não estou realmente surpreso."

A decisão de remover os títulos do duque foi divulgada após pedidos de veteranos para destituí-lo de cargos militares honoríficos.

Em uma carta aberta à Rainha, mais de 150 ex-membros da Marinha Real, da RAF e do Exército Britânico afirmaram estar "incomodados e revoltados" por Andrew manter os títulos, dizendo que a postura dele era "indefensável".

A carta pedia que houvesse uma intervenção na situação.

Na semana passada, um ex-comandante de um dos antigos regimentos de Andrew fez apelos semelhantes. O coronel Tim Collins, veterano da Guerra do Iraque, mencionou na ocasião que Andrew deveria "saltar antes que fosse empurrado". Ele afirmou que a publicidade relacionada aos processos de Giuffre tinha sido "vergonhosa" para todos.

A Rainha é chefe das Forças Armadas, e os cargos militares honoríficos ficam a critério dela.

O duque detinha o título de Coronel-Chefe dos Guardas Granadeiros, um dos regimentos mais antigos e emblemáticos do Exército Britânico.

Os outros títulos militares honoríficos britânicos do duque eram: Comodoro Aéreo Honorário da RAF Lossiemouth, Coronel-Chefe do Regimento Real Irlandês, Coronel-Chefe do Small Arms School Corps, Comodoro-Chefe da Fleet Air Arm, Coronel Real dos Fuzileiros Reais da Escócia, Coronel-Chefe Adjunto dos Royal Lancers (Queen Elizabeths’ Own) e Coronel Real do Regimento Real da Escócia.

Juiz dá andamento ao processo

Virginia Giuffre afirma ter sido traficada para fazer sexo com o segundo filho da Rainha aos 17 anos, enquanto ela ainda era menor de idade, de acordo com a lei americana. Na quarta-feira, um juiz decidiu que o caso poderia avançar.

Na quarta-feira, o juiz Lewis A. Kaplan negou uma moção dos advogados do duque para que o processo civil fosse arquivado.

O juiz Kaplan disse que Giuffre, 38, tinha o direito de dar andamento às acusações de que Andrew a agrediu e intencionalmente causou-lhe sofrimento emocional. Ele também afirmou que era prematuro considerar os esforços de Andrew para "gerar dúvidas" sobre essas alegações, embora o príncipe de 61 anos pudesse fazê-lo em um julgamento.

Andrew negou as acusações de Giuffre de que, há mais de duas décadas, ele a teria forçado a fazer sexo, na casa de Ghislaine Maxwell, ex-associada de Jeffrey Epstein, em Londres, e abusado dela nas propriedades de Epstein em Manhattan e nas Ilhas Virgens Britânicas.

Em 2019, Epstein foi encontrado morto na cela de uma prisão em Manhattan, enquanto aguardava ser julgado por acusações de tráfico sexual. Segundo o médico legista da cidade de Nova York, a causa da morte foi suicídio.

Maxwell, 60, foi condenada em 29 de dezembro por, entre 1994 e 2004, recrutar e orientar garotas que seriam abusadas por Epstein.

Uma fonte próxima ao duque disse que ele não ficou surpreso com a decisão do juiz: "Dada a robustez com que o juiz Kaplan recebeu nossos argumentos, não ficamos surpresos com a decisão".

"No entanto, esse não foi um julgamento sobre o mérito das alegações de Giuffre. Isso é uma maratona, não uma corrida, e o duque continuará a se defender contra essas acusações."

Andrew permanece na linha de sucessão ao trono e, como tal, ainda é Conselheiro de Estado.

Caso a Rainha não possa exercer temporariamente suas funções oficiais como soberana por questões de saúde ou viagem ao exterior, dois ou mais Conselheiros de Estado são nomeados por cartas-patente para atuar no lugar dela.

O papel de Conselheiro de Estado é desempenhado pelo cônjuge do monarca e pelos próximos quatro adultos na linha de sucessão, que, atualmente, são o Príncipe de Gales, o Duque de Cambridge, o Duque de Sussex e o Duque de York.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos