Raio-X: saiba por onde podem sair os gols de Inglaterra e Estados Unidos na segunda rodada da Copa do Mundo

Dia 6 da Copa do Mundo de 2022! Nesta quinta-feira, às 16h (de Brasília), Inglaterra e Estados Unidos se enfrentam na segunda rodada do Mundial. A Inglaterra pode garantir classificação para as oitavas de final, enquanto os Estados Unidos tentam reagir após empatar com País de Gales na estreia. Dito isso, é importante saber por onde os gols podem sair e por onde as seleções são mais frágeis

Tabela da Copa: Datas, horários e grupos do Mundial do Catar

Simulador: você decide quem será campeão da Copa do Catar

O GLOBO preparou a série "Raio-X dos gols sofridos", onde analisa os últimos 15 jogos das seleções participantes do Catar. A cada dia, o jogo de destaque será apresentado e a reportagem mostrará os principais caminhos para a bola balançar as redes de cada uma delas. Neste dia 6, o foco está em Inglaterra e Estados Unidos.

Você escala: quais os seus 11 titulares do Brasil na Copa do Mundo

Guia interativo: saiba tudo sobre os 831 jogadores que disputam o Mundial

Por onde a Inglaterra costuma sofrer gols?

Os últimos 30 minutos do segundo tempo são os momentos em que os Estados Unidos podem ter mais chance de marcar gols. Dos 13 sofridos nos últimos 15 jogos, oito vieram nestes momentos.

O goleiro da Inglaterra tem um problema grave: sofre uma enorme quantidade de gols no mesmo quadrante. O canto inferior direito do arqueiro viu cinco bolas entrarem das 13 sofridas pela seleção. É um número extremamente alto para um goleiro de sua qualidade.

A Inglaterra é uma seleção que comete muitos pênaltis. Assim como também permite muitas assistências da entrada da área.

Por onde os Estados Unidos costumam sofrer gols?

Os Estados Unidos costumam sofrer muitos gols de contra-ataque e de cruzamentos pela esquerda. É um ponto a ser observado pela Inglaterra.

O quadrante direito da grande área da defesa dos Estados Unidos é de onde saem mais finalizações para gols — cinco no total dos nove gols sofridos. Números altos.

O goleiro dos Estados Unidos passa longe de ser confiável e costumam sofrer gols em vários quadrantes.