Randolfe pede que Pazuello apresente teste de covid à CPI

·2 minuto de leitura
Ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello fala em coletiva à imprensa

Ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
  • Senador Randolfe Rodrigues entrou com requerimento para que Eduardo Pazuello apresente teste de covid-19

  • Pazuello não compareceu à audiência na CPI alegando que teve contato com pessoas com suspeita de covid

  • Dois dias depois, foi flagrado recebendo a visita do ministro Onyx Lorenzoni

Vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) entrou com requerimento para que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello apresente resultado de teste para detecção da covid-19.

Na terça-feira (4), o ex-ministro comunicou à CPI da Covid no Senado que não compareceria ao seu depoimento - marcado para o dia 5 - porque teve contato com pessoas com suspeita de Covid-19. Os senadores, então, remarcaram o depoimento para o dia 19.

No entanto, dois dias depois, na quinta-feira (6), o jornal Estadão flagrou o ex-ministro da Saúde recebendo a visita do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni (DEM), em Brasília.

O ex-ministro foi visto também circulando pelo Hotel de Trânsito de Oficiais, em Brasília, sem máscara, segundo o jornal. Pazuello precisaria cumprir isolamento social de 14 dias, de acordo com protocolo.

No pedido, Randolfe argumentou que “é importante saber se o ex-ministro realizou exame antes de receber o ministro da Secretaria-Geral, Onyx Lorenzoni”.

O requerimento ainda precisa ser votado na CPI.

Senadores falam em condução coercitiva

A visita do ministro da Secretaria-Geral, Onyx Lorenzoni, ao ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, na quinta-feira (6), repercutiu na sessão da CPI de ontem.

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) perguntou se haveria medida da CPI contra Pazuello por receber visita de Onyx após adiar depoimento. A hipótese gerou a reação dos parlamentares da base de apoio ao governo de Jair Bolsonaro.

Mas o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM) negou tal intenção: "Não cometeu crime nenhum".

"Não cogitamos busca e apreensão, mas ele precisa colaborar", acrescentou o relator Renan Calheiros, lembrando que a medida seria em caso de extrema gravidade.

Pazuello estuda a possibilidade de entrar com habeas corpus preventivo para permanecer em silêncio, segundo divulgado pelo site O Antagonista. Ele teria contratado o criminalista Zoser Hardman para auxiliá-lo.

Hardman é especialista em tribunal do juri e já defendeu chefes de milícias do Rio, como Ricardo Teixeira da Cruz (Batman) e Wallace Pires (Robocop).