Rave clandestina com 2.500 participantes chega ao fim na França após dois dias

Agências internacionais
·2 minuto de leitura

Uma grande rave clandestina que começou na quinta-feira para celebrar o ano novo chegou ao fim neste sábado no Oeste da França, o país europeu com mais casos de Covid-19. O som do evento, que desafiou o toque de recolher e as restrições para conter a pandemia, foi cortado somente após os participantes começarem a abandonar o local.

Cerca de 2,5 mil franceses, em sua maior parte sem máscaras, participaram da megafesta, organizada em dois hangares na cidade de Lieuron, nos arredores de Rennes. Diante das normas sanitárias que proibiam aglomerações, a polícia tentou pôr um fim ao evento na quinta-feira, operação sem sucesso que terminou em confrontos.

Na noite de sexta, o ministro do Interior, Gerald Darmanin, o prefeito de Ille-et-Vilaine, Emmanuel Berthier, e integrantes de seu Gabinete fizeram uma reunião para pôr fim ao evento sem novos episódios de violência. Segundo Darmanin, mais de 1,2 mil pessoas foram multadas enquanto deixavam o local e os organizadores serão identificados e processados.

"As forças de segurança interna, numerosas esta noite a meu pedido, e os controles intensivos postos em prática levaram ao fim da festa ilegal em Lieuron, sem episódios de violência. Continuamos com os controles, e cada participante é multado ao deixar o local", disse o ministro em seu Twitter.

Aproximadamente 800 pessoas, disse Berthier, foram multadas por participarem de uma festa ilegal, descumprirem o toque de recolher e não usarem máscaras. O resto, segundo o prefeito, foi advertido por uso ilegal de drogas. Cinco pessoas foram presas enquanto os equipamentos de som eram apreendidos.

Segundo a Prefeitura, ao menos uma torre de som foi desmontada durante a madrugada deste sábado e, por volta de 5h30 (1h30, horário de Brasília), as pessoas começaram a deixar o local. Pela manhã, disse um fotógrafo da AFP, metade do estacionamento usado pelos participantes estava vazio.

Na noite de quinta-feira, os policiais haviam tentado em vão evitar a festa, mas manifestantes lançaram garrafas e entraram em confronto com a polícia. Uma viatura foi incendiada e outras três, vandalizadas. Sem conseguir encerrar a rave, os policiais controlaram os acessos ao evento e equipes sanitárias foram ao local distribuir álcool gel e máscaras.

Promotores em Rennes deram início a uma investigação sobre o ocorrido, enquanto autoridades de saúde fazem um apelo para que os participantes se autoisolem por sete dias. A França é hoje o país da Europa Ocidental com o maior casos de Covid-19 e já passou por dois confinamentos nacionais no último ano — o último deles, aliviado no meio do mês passado.

Com o número de novos casos diários perto de 20 mil, a França impôs novas medidas de distanciamento que começam a valer neste sábado. Quinze departamentos no Sudoeste e no Noroeste o país foram postos sob um toque de recolher ainda mais estrito, que começará às 18h, duas horas mais cedo que a restrição até então em vigor.