Reações de dirigentes mundiais após vitória de Biden

·7 minuto de leitura
O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, comemoram em Wilmington, Delaware, em 7 de novembro
O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, comemoram em Wilmington, Delaware, em 7 de novembro

Numerosos dirigentes mundiais parabenizaram Joe Biden após o anúncio de sua vitória nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, que encerrará o tumultuado mandato de Donald Trump.

- União Europeia -

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, saudaram a eleição de Biden. 

Eles também apostam na reconstrução de uma "relação firme" entre a UE e os Estados Unidos, depois que Trump manteve relações tensas com alguns dos principais líderes europeus.

- OTAN -

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, também felicitou o candidato democrata e disse estar "ansioso por trabalhar" com este "forte apoiante da Aliança Atlântica". 

"Uma OTAN robusta é uma coisa boa tanto para a América do Norte quanto para a Europa", disse Stoltenberg.

- Israel -

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu parabenizou Joe Biden e o chamou de "grande amigo de Israel".

"Parabéns a Joe Biden e Kamala Harris. Joe, nos conhecemos há quase 40 anos, nosso relacionamento é cordial e sei que você é um grande amigo de Israel. Estou ansioso para aprofundar ainda mais a parceria especial entre os Estados Unidos e Israel", escreveu Netanyahu no Twitter.

- Autoridade Palestina -

O presidente palestino Mahmoud Abas expressou em comunicado seu desejo de "trabalhar com o presidente eleito Joe Biden e sua administração para fortalecer as relações e garantir a liberdade, independência, justiça e dignidade do povo palestino".

O presidente Trump adotou uma política muito pró-Israel, levando os palestinos a romper relações com Washington.

- Reino Unido -

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson também parabenizou Biden e Kamala Harris "por sua conquista histórica". 

"Espero que trabalhemos de perto em nossas prioridades comuns, de mudança climática até comércio e segurança", tuitou o líder conservador britânico, que no passado teve relações tensas com Biden e o ex-presidente democrata Barack Obama.

- Alemanha -

A chanceler alemã Angela Merkel, cujas relações com Trump eram mais do que frias, desejou a Biden "de todo o coração sorte e sucesso". 

"Nossa amizade transatlântica é insubstituível se quisermos superar os grandes desafios de nosso tempo", acrescentou a líder democrata-cristã, citada em um tuíte de seu porta-voz.

- França -

O presidente francês Emmanuel Macron parabenizou Biden e pediu-lhe que agisse "junto" para "enfrentar os desafios atuais". Temos muito que fazer para enfrentar os desafios de hoje. Vamos agir juntos!", disse o francês no Twitter.

- Canadá -

"Estou ansioso para trabalhar com o presidente eleito Biden, a vice-presidente Harris, sua administração e o Congresso dos Estados Unidos para que possamos superar os maiores desafios do mundo juntos", escreveu o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau em um comunicado.

O ministro canadense das Relações Exteriores, François-Philippe Champagne, disse neste domingo à rede CTV News que a vitória de Joe Biden nas eleições dos Estados Unidos é "uma boa notícia" para o Canadá e que "trará mais estabilidade e previsibilidade ao relacionamento" bilateral.

- Japão -

O primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga pediu o fortalecimento dos laços entre os dois países. 

"Cordiais parabéns a @JoeBiden e @KamalaHarris. Espero trabalhar com vocês para fortalecer ainda mais a aliança Japão-Estados Unidos e garantir paz, liberdade e prosperidade na região Indo-Pacífico e além", tuitou Suga.

- Irã -

Para o presidente iraniano Hasan Rohani, "o futuro governo dos Estados Unidos tem agora a oportunidade de corrigir erros do passado e voltar ao caminho de adesão aos compromissos internacionais e respeito ao direito internacional", aludindo à atual política de Washington de sanções e "pressão máxima" sobre o Irã após a saída unilateral do acordo nuclear iraniano em 2018.

Horas antes, o vice-presidente Eshaq Jahangiri havia garantido que esperava que "as políticas destrutivas dos Estados Unidos" mudassem.

- Afeganistão -

"O Afeganistão espera continuar e aprofundar sua colaboração estratégica multidimensional com os Estados Unidos em contraterrorismo e trazer paz ao Afeganistão", tuitou o presidente Ashraf Ghani. 

O governo Trump assinou um acordo com o Talibã para selar a retirada das tropas americanas, um pacto que muitos consideraram precipitado.

- Argentina -

"Parabenizo o povo americano pelo comparecimento recorde nas eleições, uma clara expressão de vontade popular. Saúdo @JoeBiden, o próximo presidente dos Estados Unidos, e @KamalaHarris, que será a primeira vice-presidente mulher daquele país", disse no Twitter o presidente da Argentina, Alberto Fernández (centro-esquerda).

- Espanha -

O chefe do governo espanhol, Pedro Sánchez, desejou "sorte" a Biden. 

"Estamos preparados para cooperar com os Estados Unidos e enfrentar juntos os grandes desafios globais", acrescentou Sánchez.

- Itália -

O chefe do governo italiano, Giuseppe Conte, parabenizou "o povo americano e suas instituições por sua excepcional prova de vitalidade democrática" e garantiu que quer trabalhar com o ex-vice-presidente Obama para "fortalecer a relação transatlântica".

- Irlanda -

O primeiro-ministro irlandês, Micheal Martin, foi um dos primeiros a parabenizar Biden, que descreveu como "um verdadeiro amigo" da Irlanda. 

"Joe Biden tem sido um verdadeiro amigo deste país ao longo de sua vida e estou ansioso para trabalhar com ele nos próximos anos. Também espero dar as boas-vindas a ele em casa quando as circunstâncias permitirem", disse Martin em sua conta no Twitter.

- Índia -

O primeiro-ministro indiano Narendra Modi parabenizou Biden e, especialmente, sua vice, Kamala Harris, de origem indiana, por seu sucesso "inovador". 

"Parabéns @JoeBiden pela sua vitória espetacular!", tuitou Modi. 

Em um tuíte separado, ele se dirigiu a Harris: "Seu sucesso é inovador e uma fonte de imenso orgulho [...] para todos os índio-americanos". 

Kamala Harris, a primeira mulher eleita vice-presidente dos Estados Unidos, é filha de pai jamaicano e mãe indiana.

- Venezuela -

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse que estará "sempre pronto para o diálogo" com os Estados Unidos, país com o qual mantém relações tensas, e parabenizou Joe Biden pela vitória nas eleições presidenciais norte-americanas.

O chefe do Parlamento e líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, também parabenizou Joe Biden e garantiu que trabalharão "juntos" pela "restauração da democracia" no país caribenho.

- México -

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, disse neste sábado que aguardará a resolução das "questões jurídicas" das eleições presidenciais dos Estados Unidos para estabelecer sua posição e garantiu que mantém uma relação muito boa "com os dois candidatos". 

"Não queremos ser imprudentes, não queremos agir levianamente e queremos respeitar a autodeterminação dos povos", disse o presidente a jornalistas.

- Eslovênia -

Em contraste com as felicitações a Biden, o primeiro-ministro esloveno Janez Jansa, um partidário de Trump, declarou-se surpreso com a onda de parabéns a Biden. 

"Os tribunais nem começaram a decidir sobre o assunto. Apesar disso, os meios de comunicação (e não qualquer instituição oficial) anunciam o vencedor", disse, aludindo à recusa de Trump em aceitar sua derrota, que considera uma "fraude" eleitoral. 

- Rússia -

O líder da oposição russa Alexei Navalny parabenizou Biden por "definir a nova liderança em uma eleição livre e justa".

"Este é um privilégio que não está disponível em todos os países", acrescentou Navalny, que se recupera na Alemanha de um envenenamento no início deste ano.

- Iraque -

O presidente Barham Saleh enviou suas "calorosas felicitações" a Biden, a quem descreveu como "um amigo de confiança e parceiro na construção de um Iraque melhor". "Estamos ansiosos para trabalhar para alcançar nossos objetivos comuns e fortalecer a paz e a estabilidade em todo o Oriente Médio", acrescentou.

- Cuba -

O presidente cubano Miguel Díaz-Canel saudou o "novo rumo" dos Estados Unidos como resultado de suas eleições e expressou seu desejo de uma relação "construtiva e respeitosa". 

"Acreditamos na possibilidade de uma relação bilateral construtiva e respeitosa das diferenças", disse.

- Turquia -

"Do ponto de vista da Turquia, alguma coisa mudará? Não, não mudará", disse o vice-presidente turco Fuat Oktay em entrevista ao canal Kanal 7, acrescentando que a "boa comunicação" entre Trump e o presidente turco Recep Tayyip Erdogan ajudou os aliados da OTAN a resolver problemas "muito sérios".

- Arábia Saudita -

O rei Salmán, o último dos monarcas do Golfo a reagir após a eleição de Biden, parabenizou o presidente recém-eleito e expressou "seus melhores votos de sucesso" e lembrou "as relações históricas e estreitas entre esses dois países e povos amigos", disse a agência. Saudita.

bur-slb/fjb/eb/jz/cc/mr/cc