A condenação internacional à tentativa de atentado contra Cristina Kirchner

Líderes mundiais condenaram a tentativa de atentado contra a vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, ocorrido uma semana depois que a promotoria pediu a sua prisão e desqualificação política por corrupção:

-O presidente Jair Bolsonaro, lamentou a tentativa e disse que lhe enviou uma nota. "Já mandei uma notinha, lamento. Agora, quando eu levei a facada, teve gente que vibrou por aí, né? Lamento, já tem gente botando na minha conta esse problema. O agressor, ainda bem que não sabia mexer com arma. Se soubesse, teria sucesso".

- "O atentado contra Cristina na Argentina é fruto de um sectarismo que se converte em violência. Tornou-se uma prática latino-americana pensar que a política é a eliminação física ou legal do adversário. Tal prática é puro fascismo. A política deve ser liberdade " (Presidente da Colômbia, Gustavo Petro, no Twitter).

- "Comprometidos como estamos em toda a nossa América a continuarmos traçando caminhos de entendimento, paz e direitos para todos, estamos consternados com o ocorrido ontem na República Argentina, onde a violência armada irrompe nessa democracia que foi tão cuidada." (Presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, em mensagem a Cristina Fernández).

- "A violência nunca pode ser tolerada, sob nenhum conceito. Minha solidariedade à senhora Cristina Fernández e a todo o povo argentino diante do atentado" (Presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, no Twitter).

- "Nós nos solidarizamos com a República Argentina diante da tentativa de assassinato sofrida por sua vice-presidente, Cristina Fernández. Nós nos unimos a todas as vozes que repudiam a violência e exigem justiça" (Presidente do Paraguai, Mario Abdo, no Twitter).

- "Graças a Deus a tragédia não aconteceu. De fato, tinham (Vladimir Putin e Cristina Fernández) uma relação calorosa quando a senhora Kirchner era presidente. Na situação atual, não se apresenta a necessidade de entrar em contato." (Porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov)

- "O secretário-geral (da ONU) ficou chocado com esta notícia. Ele condena esta violência e expressa sua solidariedade com a vice-presidente, o governo e o povo da Argentina". (Porta-voz de António Guterres).

- "Desejo expressar minha solidariedade e proximidade neste momento delicado. (...) Rezo para que a harmonia social e o respeito aos valores democráticos sempre prevaleçam na amada Argentina, contra todo tipo de violência e agressão" (Papa Francisco, ex-arcebispo de Buenos Aires).

- "Os Estados Unidos condenam veementemente a tentativa de assassinato da vice-presidente Cristina Fernández de Kirchner. Apoiamos o governo e o povo argentinos na rejeição da violência e do ódio" (Secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken).

- "Foi algo lamentável, reprovável, mas ao mesmo tempo diria que milagroso porque Cristina está bem. É um ato reprovável em qualquer circunstância, não é justificável nem tratando-se de inimigos, menos ainda de adversários" (Presidente do México, Andrés Manuel López Obrador).

- "Enviamos nossa solidariedade à vice-presidente @CFKArgentina, diante do atentado contra sua vida. Repudiamos energicamente essa ação que busca desestabilizar a Paz do povo argentino irmão. A Pátria Grande está contigo companheira! #ForçaArgentina #ForçaCristina". (Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, no Twitter)

- "De #Cuba, consternados com a tentativa de assassinato de @CFKArgentina , enviamos toda a nossa solidariedade à vice-presidente, ao governo e ao povo argentinos". (Presidente cubano Miguel Díaz-Canel no Twitter)

- "A tentativa de assassinato da vice-presidente da Argentina, Cristina Fernández, merece o repúdio e condenação de todo o continente. Minha solidariedade a ela, ao Governo e ao povo argentino. O caminho sempre será o debate de ideias e o diálogo, nunca as armas ou a violência". (Presidente do Chile, Gabriel Boric, no Twitter)

- "Toda a minha solidariedade à vice-presidente @CFKArgentina e ao povo argentino. O Governo peruano condena o atentado ocorrido hoje contra sua vida. Repudiamos todo ato de violência". (Presidente do Peru, Pedro Castillo, no Twitter)

- "Toda a minha solidariedade à companheira @CFKArgentina vítima de um fascista criminoso que não sabe respeitar divergências e a diversidade. A Cristina é uma mulher que merece o respeito de qualquer democrata no mundo. Graças a Deus ela escapou ilesa". (Ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), no Twitter)

- "Repudiamos enfaticamente o atentado contra a vida da irmã @CFKArgentina, vice-presidente da #Argentina. Do Estado Plurinacional da #Bolívia, enviamos todo nosso apoio a ela, sua família, o governo e o povo argentino.. #TodosComCristina". (Presidente da Bolívia, Luis Arce, no Twitter)

- "Condenamos a covarde tentativa de magnicídio contra nossa irmã @CFKArgentina. Toda a nossa solidariedade à vice-presidente. A Pátria Grande está contigo irmã. A direita criminosa e servil ao imperialismo não passará. O povo livre e digno da #Argentina a derrotará". (Ex-presidente da Bolívia, Evo Morales (2006-2019), no Twitter)

- "O que está acontecendo com o mundo! Minha absoluta solidariedade a Cristina". (Ex-presidente do Equador Rafael Correa (2007-2017) no Twitter)

- "Nenhum ato guiado pelo ódio pode ser tolerado. O que o @CFKArgentina sofreu hoje nunca deveria ser permitido. Minha solidariedade a ela e minha rejeição e condenação deste ato criminoso". (Ex-presidente do Peru, Ollanta Humala, (2011-2016) no Twitter)

- "Toda a minha solidariedade à vice-presidente @CFKArgentina e ao povo argentino. O governo peruano condena o atentado ocorrido hoje contra sua vida. Repudiamos qualquer ato de violência". (Presidente do Peru, Pedro Castillo, no Twitter)

- "Nossa firme condenação do ataque contra a vice-presidente @CFKArgentina. Expressamos solidariedade ao governo e ao povo argentino". (Chanceler de Honduras, Enrique Reina, no Twitter)

- "Meu carinho e solidariedade, @CFKArgentina. Nossa enérgica condenação a esta tentativa de assassinato e o apoio à vice-presidente Cristina Fernández e a todo o povo argentino. Ódio e violência nunca derrotarão a democracia" (Presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, no Twitter).

dl/yow/mar/es/aa/lb