Reabertura do Rio: Crivella libera calçadão, banho de mar e igrejas a partir de terça-feira

Luiz Ernesto Magalhães

O prefeito Marcelo Crivella anunciou nesta segunda-feira que o plano de reabertura da economia e a redução das medidas de isolamento social vao comecar a partir já de terça-feira, dia 2. Entre elas, caminhadas no calçadão e atividades no mar, como surfe, abertura de templos religiosos e funcionamento de lojas de móveis e automóveis.

O plano dividido em seis fases só deve ser concluido em agosto, caso não haja um aumento de casos que a capacidade de leitos da cidade não absorva. Crivella confirmou também que as aulas só serão retomadas em julho.

Segundo o prefeito, as medidas foram discutidas em comum  acordo com o governo estadual. O secretário estadual de Saúde, Fernando Ferry, participou da reunião com a comunidade científica que decidiu pela reabertura.

A reabertura das igrejas e templos religiosos está proibida por decisão judicial. No entanto, o prefeito disse que pretende discutir com a Justiça os detalhes da nova regulamentação.

– Prolongar o isolamento pode trazer benefícios para evitar a Covid-19. Mas nós registramos aumento de casos de mortes de outras comorbidades como cardiopatias, câncer, porque os pacientes suspenderam o tratamento e não têm ido às unidades de saúde – argumentou Crivella.

O superintendente de Educação e Projetos da Vigilância Sanitária, Flavio Graça, explicou parte do plano. O processo de retomada será monitorado levando-se em conta a taxa de ocupação de leitos por 100 mil habitantes e a evolução semanal de óbitos. Se não houver mudanças drásticas nas curvas, as fases serão implementadas a cada 15 dias.

Na primeira fase, apenas o comércio essencial continuará liberado. Na segunda, os shoppings poderão reabrir, mas com redução de um terço da capacidade dos estacionamentos. E uma pessoa por quatro metros quadrados.

Na terceira fase, abrem as lojas de rua com impacto maior no transporte público. O decreto que restringe a circulação em 13 centros de bairro, que vence nesta segunda-feira, será prorrogado enquanto o comércio de rua nao for liberado.

Nas fases seguintes, a cidade voltará à quase total normalidade, mas ainda com o uso de máscaras.

O prefeito, por sua vez, explicou que vários fatores influenciaram na decisão sobre o cronograma de abertura. Entre os quais a capacidade dos setores gerarem receitas e empregos. E se produzem mais ou menos aglomerações.

Crivella acrescentou que um dos fatores para decidir pela reabertura é o fato de não haver nesse momento filas em UTIs da rede pública municipal.  Os pacientes que ainda precisam ser internados estão aguardando a vaga por motivos secundários como a espera de ambulância para a transferência. Na capital, a espera por uma vaga de terapia intensiva já chegou a mais de mil leitos.