Rebeca Andrade é medalha de bronze no solo no Mundial de Ginástica

A participação de Rebeca Andrade chegou ao fim no Mundial de Ginástica em Liverpool, na Inglaterra. Campeã no individual geral, a agora ginasta mais completa do mundo ficou com o 3º lugar no solo, com 13,733. A medalha de ouro ficou com Jessica Gadirova, da Grã-Bretanha, com 14,200 pontos e a americana Jordan Chiles, com 13,833, ficou com a prata. O pódio ainda teve Jade Carey, também dos Estados Unidos, com a mesma pontuação da brasileira.

- Quem sabe, uma hora esse ouro vai vir. Mas eu estou bem feliz. Qualquer medalha é bonita! - resumiu Rebeca Andrade ao SporTV após a final.

A brasileira foi a primeira a se apresentar e arrancou aplausos das arquibancadas ao som de "Baile de Favela" em Liverpool. Foi a última vez em que a medalhista de ouro no individual geral fez essa apresentação. A Confederação Brasileira entrou com recurso para a nota de dificuldade da Rebeca, mas o recurso foi negado.

- Não ouvi a música entrando junto com a do solo não, ela já está gravada na minha cabeça, então não percebi. Não me atrapalhou não, foi tranquilo - disse Rebeca sobre um possível problema com a música, notada pela transmissão do SporTV mas não pelo repórter Marcelo Courrege, in loco, e nem pela ginasta.

Pouco depois, os Estados Unidos entraram com protesto para aumentar a nota da campeã olímpica Jade Carey, mas o tiro saiu pela culatra. Na revisão, a nota dela diminuiu, e por critérios de desempate, a americana colocou Rebeca no pódio restando ainda uma apresentação, de Jessica Gadirova, da Grã-Bretanha.

- Quando você pede recurso, tem que ter muita certeza. O dela abaixou a nota, mas estou no pódio, não vou reclamar não (risos) - disse Rebeca. Flávia Saraiva, que disputaria o título, acabou se lesionando e ficou de fora da final. Ela ainda tentou participar da prova, mas não conseguiu superar as dores no tornozelo direito durante o aquecimento. A brasileira se machucou no pouso do salto sobre o cavalo, ainda nas eliminatórias.

Na final das barras palaelas, Jingyuan Zou tirou 16,166 nas barras paralelas, a primeira nota acima de 16 pontos e se sagrou tricampeão mundial do aparelho. Zou é também o campeão olímpico da prova. Mesmo com 15,500, o alemão Lukas Dauser ficou com a medalha de prata. O filipino Carlos Edriel Yulo foi bronze e completou o pódio.