Rebeca Andrade estrela videoclipe no último Esporte Espetacular do ano

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 14.11.2021 - A ginasta Rebeca Andrade durante o Grande Prêmio de F-1 em São Paulo. (Foto: Jardiel Carvalho/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 14.11.2021 - A ginasta Rebeca Andrade durante o Grande Prêmio de F-1 em São Paulo. (Foto: Jardiel Carvalho/Folhapress)

CAMPINAS, SP (FOLHAPRESS) - Protagonista de um dos momentos mais marcantes para o Brasil na Olimpíada de Tóquio com sua performance ao som de "Baile de Favela", Rebeca Andrade, 22 anos, estrela um clipe produzido para o último Esporte Espetacular de 2021. O programa vai ao ar neste domingo (26).

A coluna traz em primeira mão fotos da gravação, que aconteceu na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca (RJ), e contou com a participação de mais de 60 pessoas. No vídeo, a ginasta aparece acompanhada de grupos de passinho e da Camerata Jovem do Rio de Janeiro, orquestra composta por moradores de comunidades cariocas.

"Toda essa diversidade que vamos ver na coreografia foi muito importante para me inspirar", afirma a ginasta, eleita a atleta do ano no Prêmio Brasil Olímpico.

Na produção, com coreografia assinada por Ronaldo Ferreira, Rebeca escuta "Baile de Favela" na versão da orquestra e embarca em uma viagem rumo à glória do esporte.

Em Tóquio, Rebeca tornou-se a primeira ginasta brasileira a subir no pódio, conquistando a medalha de prata no individual geral. Alguns dias depois, ela foi campeã olímpica de salto. Com seu talento, humildade e dedicação, a atleta arrancou lágrimas de Daiane dos Santos e emocionou Galvão Bueno, que ficou sem palavras: "Rebeca Andrade, o Brasil te ama", disse o narrador.

Três meses depois dos Jogos Olímpicos, a ginasta voltou ao Japão, onde conquistou o Campeonato Mundial no salto e ficou em segundo lugar nas barras assimétricas.

"Não foi só estar no Japão e competir. Eu representei os pretos, as pessoas de periferia, os brancos, pardos, amarelos, todas as pessoas, porque eu estava fazendo por todo mundo, mesmo", conclui.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos