Recém-falecido, escritor Sérgio Sant'Anna é alvo de ataques nas redes sociais: 'Agora ele é resistência com mariele'

Sergio Sant'anna

O escritor Sérgio Sant’Anna, morto por coronavírus neste domingo (10), tem sido alvo de ataques nas redes sociais. Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro tem recuperado postagens de Sant’Anna no Facebook, nas quais ele criticava veementemente o governo e desejava que o coronavírus dizimasse “todo o clã Bolsonzi e seus sequazes”, e atribuído à morte do escritor à “justiça divina”.

O escritor Marcelo Moutinho, que escreveu o obituário de Sant'Anna publicado no GLOBO, foi um dos primeiros a denunciar os ataques. Moutinho publicou no Twitter o link para seu texto, a que o usuário Carlos Brasil (@CarlosB2821004) respondeu: “Agora ele é resistência com mariele kkk”, em referência à vereadora carioca Marielle Franco, assassinado em março de 2018.

Carlos Brasil ingressou em março de 2020 e costuma postar contra a esquerda e retuitar perfis próximos ao governo Bolsonaro, como deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Major Olimpio (PSL-SP). Carlos Brasil também compartilhou uma série de prints de postagens de Sant’Anna no Facebook nas quais ele fazia afirmações como “Descobri a causa do coronavírus: Deus causou” e “Liberdade para Adélio já”, em referência a Adélio Bispo, o homem que esfaqueou Bolsonaro durante a camapanha presidencial de 2018.

“Essa foi uma das respostas que recebi ao publicar, aqui, o link para meu artigo em O Globo sobre o Sérgio Sant' Anna. Que o esgoto do Brasil foi aberto, a gente já sabe. Se será fechado um dia é a questão”, tuitou Moutinho sobre os comentários de Carlos Brasil.

As publicações de Sant’Anna, especialmente aquelas em que ele culpa Bolsonaro pelo conoravírus e deseja a morte do presidente, estão sendo recuperadas nas redes sociais por apoiadores do governo que zombam do escritor recém-falecido.

“D3us não existe, segundo o Sérgio Andrade Sant´Anna... desejou a mort5 do Bolsonar0 de COVID e quem morr3u de vírus chinês? O Sérgio”, tripudiou o usuário Aços Anacott (@AAnacott). A mensagem foi publicada em uma postagem do escritor Xico Sá no qual ele recordava uma crítica de Sant’Anna ao silêncio da Academia Brasileira de Letras quanto ao governo Bolsonaro: “Não vejo a Academia Brasileira de Letras manifestar-se contra o governo fascista, destruidor da cultura. Afinal, para o que serve a academia que não servir chá aos acadêmicos?” Aços Anacott ingressou no Twitter em abril.

Nos comentários de outro tuíte de Sá em homenagem a Sant’Anna, o usuário Tiago (@BulleThiago1) postou os mesmos prints compartilhados por Carlos Brasil. O usuário Jimmy Gresik (@jimmygresik) retuitou uma militante bolsonarista que compartilhara as postagens de Sant'Anna desejando a morte de Bolsonaro por conorovírus e acrescentou:

"Eu não gosto de tripudiar a morte de ninguém, até porque perdi um parente por NEGLIGÊNCIA DO HOSPITAL QUE OCULTOU CRIMINOSAMENTE OS CASOS aqui em Salvador, mas que(a morte) (d)o Sérgio Andrade de Sant’Anna foi a Karma, Universo, Justiça Divina ou Língua Tostada foi... isso foi...".

Boa parte dos perfils que zombam de Sant’Anna ingressaram há pouco tempo na rede social, têm poucos seguidores e se dedicam, principalmente, a espinafrar críticos de Bolsonaro e compartilhar propaganda governista.

Alguns deles repetem os mesmos comentários maldosos em diversos posts que lembravam Sant’Anna. “Ele era ateu, mas tenho certeza absoluta que suas últimas palavras foram: 'Deus, me deixe viver' Todos no final, dizem a mesma coisa. Simples assim.....”, comentou o usuário Marcelo N. (@ns_filmes) em seis tuítes diferentes, todos relacionados a morte do escritor.

No Facebook, a página do escritor também foi alvo de ataques. “Foi tarde!”, comentou Clément Izard em uma post que homenageava o escritor. Um dos perfis que mais zombou da morte do escritor na página dele foi o de Evelyn Silva (Evy), que se identifica como “ariana” e torcedora de Felipe Prior, um dos participantes da última edição do “Big Brother Brasil”. Amigos e admiradores de Sant’Anna têm se mobilizado para denunciar as postagens ofensivas ao Facebook.