Receio de intervenção na Amazônia faz direita e esquerda evocarem conspiração imperialista

ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER
***ARQUIVO**Tracuateua, PA, 23.08.2019: Queimadas que atingem a Amazônia ganharam repercussão alem das fronteiras do pais e atingiram status de crise internacional. (Foto: Cezar Magalhães/Raw Image/Folhapres)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O ano é 2025. O presidente americano da vez dá ultimato de uma semana ao Brasil: se o desmatamento na Amazônia continuar, ordenará ataques aéreos contra o país.

Stephen Walt, professor de relações internacionais em Harvard, começa um artigo publicado na revista Foreign Policy, no último dia 5, evocando esse exercício de imaginação, a cristalização de teorias conspiratórias que há décadas apavoram arautos da soberania nacional.

Fermentada na ditadura, a ideia de que potências estrangeiras querem tomar a maior floresta tropical do mundo para si é capaz de unir setores da direita à esquerda. E voltou com tudo agora, em um momento em que líderes mundiais cobram o governo brasileiro pelo desmatamento na Amazônia.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) acusou o colega francês de resgatar uma "mentalidade colonialista descabida no século 21" após Emmanuel Macron declarar que "nossa casa está queimando", assim mesmo, no coletivo. Sugeriu que por isso mesmo o G7, fórum só com países desenvolvidos, deveria debater as queimadas amazônicas.

Bolsonaro já renovara o "compromisso com este pedaço de terra mais rico e sagrado do mundo" uma semana atrás. "Não é à toa que outros países cada vez mais tentam ganhar a guerra da informação para que nós venhamos a perder a soberania sobre essa área."

Nesta quinta (22), o ex-comandante do Exército Eduardo Villas Bôas reforçou a dose nacionalista insinuando, sem provas, que os franceses usam material radioativo para intimidar a nação que comporta 60% da Amazônia. Novamente vemos um país europeu "realizar ataques diretos à soberania brasileira, que inclui, objetivamente, ameaças de emprego do poder militar", disse o general.

Esquerdistas também apelam ao ideal da pátria soberana, encaixando-o no canhão de críticas contra Bolsonaro. A ex-presidente Dilma Rousseff assina um texto no site do PT em que define a devastação na floresta como "face assustadora da destruição da soberania nacional". 

"Com a desculpa de 'proteger a natureza', representantes do imperialismo iniciam debates que ferem a soberania do Brasil", tuitou o perfil do PCO (Partido da Causa Operária), de extrema-esquerda. 

Brotou daí aliança inusitada. A deputada Carla Zambelli (PSL-SP), cão de guarda do bolsonarismo, comentou abaixo: "Quando até o PCO enxerga a verdade, mas o sociólogo de coque, não". 

E como a comunidade internacional, afinal, deve se portar diante das chamas que consomem nacos do bioma que acolhe 10% de todas as espécies conhecidas no planeta?

O medo de que potências exteriores vejam a Amazônia como um território à parte cresce na medida em que personalidades como Al Gore soltam declarações como esta, de quando era senador em 1989: "Ao contrário do que brasileiros pensam, a Amazônia não é propriedade deles, pertence a todos nós".  

Em 2007, o então senador amazonense Arthur Virgílio (PSDB) chegou a reclamar no Congresso de um laboratório americano que queria privatizar a floresta dividida pelo Brasil com outros oito países. 

"A Amazônia está mesmo à venda", confundiu-se. Na verdade, o laboratório a que se referira, Arkhos Biotech, era de mentirinha: fazia parte de um jogo virtual da época.   

Não que o receio de invasores tenha se dissipado. O texto de Stephen Walt alimentou suspeitas de que uma intervenção não é carta fora do baralho. 

Foi inicialmente compartilhado com o título "Quem vai invadir o Brasil para salvar a Amazônia?". Pegou mal, o acadêmico disse que a chamada foi coisa da equipe da revista, não dele, e agora está assim: "Quem vai salvar a Amazônia (e como)?".

O autor reconhece que há um tanto de exagero nesse futuro imaginado de um Brasil sob iminência de um ataque estrangeiro, mas provoca: "Estados têm o direito, ou mesmo a obrigação, de intervir num país para impedi-lo de causar um dano ambiental irreversível e possivelmente catastrófico?".

À  Folha de S.Paulo, ele diz que ações bélicas não são adequadas nesse caso. "Contudo, dada a importância da Amazônia para todas as nações, não apenas o Brasil, posso facilmente vislumbrar várias formas de pressão diplomática."

Ex-conselheiro-chefe de biodiversidade no Banco Mundial, o biólogo Thomas Lovejoy visitou a região pela primeira vez em 1965. Sete anos depois, escreveu seu primeiro artigo sobre ela: "Transamazônica: estrada para a extinção?". Pula para 2019, e a floresta ainda arde.

Para ele, "medidas mais agressivas" contra o governo verde-amarelo, se existirem, serão econômicas. "Um pequeno começo seria restringir a importação de produtos agrícolas frutos do desmatamento local", afirma à reportagem. 

Não há nada de imperialista em desejar "um futuro sustentável com um planeta funcional, o que inclui o ciclo hidrológico da Amazônia", diz. "É o interesse de todos."

"Todos os Estados são sensíveis a uma intervenção estrangeira, então é fácil entender por que os brasileiros se preocupam tanto com isso", afirma Walt. "Mas não há sinais de que outros países queiram ocupar o Brasil. O resto do mundo quer é encorajá-lo a ser mais responsável com esse recurso vital."

Claro que ajudaria e muito se "outras nações se comportassem", segundo o professor de Harvard. Mesmo a Guiana Francesa, puxadinho ultramarino do país de Macron, tem um projeto de mineração com potencial de desmatar o quinhão amazônico entre suas fronteiras. 

E há, claro, os gigantes. "EUA e China deveriam estar fazendo mais para reduzir as próprias emissões de gases de efeito estufa", afirma Walt. "Só que há pouca evidência que um Bolsonaro ou um Trump entendem o problema ou estão dispostos a fazer o que for necessário. Temo que só irá piorar."

Mas e se piorar? Como fica?

Walt destaca, não sem certa controvérsia, um pacto global de 2005: todos os membros da ONU se comprometeram com a doutrina Responsabilidade de Proteger. Ela prega que a soberania não é um privilégio, mas uma responsabilidade, e que a comunidade internacional têm o dever de proteger populações de crimes como o genocídio. Se poderia valer para questões ambientais em larga escala, fica aberto a interpretações. 

Acadêmicos já identificaram caminhos que o Conselho de Segurança da ONU poderia tomar contra o Brasil, como recorrer ao artigo 42 da organização: se as vias diplomáticas falharem, os países-membros poderão se valer de ataques por ar, terra ou mar "para manter ou restaurar a paz e a segurança internacionais". 

Uma hecatombe global catalisada pela ruína amazônica, portanto, poderia justificar uma ação dessa magnitude. Porém, "ainda que destruir a Amazônia seja um perigo óbvio para muitos outros países", pensar numa intervenção no Brasil elevaria esse jogo a outro patamar, diz Walt.

Até porque, ele lembra, das cinco nações mais poluentes, quatro têm arsenal nuclear: China, EUA, Índia e Rússia. Se os sujos falam do mal-lavado hoje, o que impediria que amanhã as atenções se voltassem a eles?