Recuperação do emprego na América Latina pode levar mais de uma década: Cepal/OIT

Miguel SANCHEZ
·2 minuto de leitura
Mulheres vendem produtos em um mercado em El Alto, Bolívia, 15 de outubro de 2020

Recuperação do emprego na América Latina pode levar mais de uma década: Cepal/OIT

Mulheres vendem produtos em um mercado em El Alto, Bolívia, 15 de outubro de 2020

A recuperação do emprego na América Latina após a pandemia do novo coronavírus pode durar mais de uma década, informaram nesta terça-feira (10) a Cepal e a OIT em um relatório.

"Será uma crise mais longa do que todo mundo pensou", advertiu Alicia Bárcena, secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), durante a apresentação do relatório sobre Conjuntura do Trabalho na América Latina e no Caribe, em conjunto com a Organização Internacional do Trabalho em Santiago.

As economias latino-americanas encolheriam 9,1% este ano, com a perda de 47 milhões de emprego, aumentando a taxa de desocupação regional para 11%, três pontos a mais do que em 2019.

"O retorno ao nível de atividade econômica pré-pandemia levará vários anos, o que se traduzirá em uma lenta recuperação do emprego", diz o relatório.

A queda dos níveis de emprego ocorreu em todas as áreas.

O trabalho formal encolheu 14% no segundo trimestre, enquanto o informal diminuiu 25%. O trabalho informal sempre foi "uma área de refúgio para o trabalho formal, mas desta vez não tem sido, já que teve quedas muito grandes", assegurou Bárcena.

Durante a pandemia, a informalidade atingiu 54%, devido, principalmente, ao fechamento de 2,7 milhões de empresas apesar dos esforços para manter os trabalhadores mediante mecanismos como férias antecipadas, redução das jornadas de trabalho, cortes salariais e trabalho remoto.

Mulheres e jovens têm sido os mais afetados pela pandemia no mercado de trabalho, "aprofundando a desigualdade no mercado de trabalho", assinalou o informe.

"As mulheres, além de sofrer reduções no emprego, tiveram que deixar o mercado de trabalho para realizar tarefas de cuidados e domésticas", continua.

A perda de empregos "deixa cicatrizes muito profundas para o futuro dos jovens", assegurou Bárcena.

msa/pa/mr/mvv