Rede estadual de SP volta a servir merenda no dia 1º

JULIANA FINARDI
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mesmo com o início das aulas regulares na rede estadual marcado somente para o dia 8 de fevereiro, as escolas oferecerão merenda a partir do dia 1º de fevereiro, quando reabrem para atividades de acolhimento e reforço. Para os 770 mil mais vulneráveis, de acordo com os registros do Bolsa-Família e Cadastro Único, a merenda será servida diariamente nas escolas estaduais de São Paulo, conforme disse o governo João Doria (PSDB), nesta quarta-feira (27). Estes alunos poderão ir à escola apenas para se alimentarem, se quiserem. Para os demais, que respeitarão as normas de revezamento presencial (35% nas fases vermelha e laranja do Plano São Paulo), a merenda estará garantida sempre que estiverem nas escolas. Ao todo, a rede possui 3,3 milhões de estudantes nas 5.000 escolas de todo o estado, sendo 1.300 apenas na capital. A alimentação será escalonada para que não haja aglomeração na escola. "Os indicadores têm mostrado é que muitos estudantes das famílias mais pobres se alimentam diariamente apenas com a refeição servida na escola. E uma em cada cinco famílias brasileiras tem restrições alimentares por preocupação de não terem dinheiro para pagar essa comida", disse o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, em entrevista coletiva nesta quarta. Ao todo, cerca de 60% dos alunos das escolas estaduais se alimentam na escola. As famílias dos alunos e os estudantes maiores de 18 anos que tenham interesse em receber a merenda a partir do dia 1º de fevereiro, antes do início do ano letivo oficial, precisam manifestar interesse no portal da Secretaria Escolar Digital - SED ( https://sed.educacao.sp.gov.br ). Caso tenham dificuldade de acesso, podem procurar a escola para auxiliá-los. Com a suspensão das atividades presenciais nas unidades no ano passado, por conta da pandemia do coronavírus, o governo implementou o programa Merenda em Casa. Os 770 mil alunos mais vulneráveis receberam por nove meses um auxílio no valor de R$ 55. Ao longo deste período, o benefício custou cerca de R$ 345 milhões. Na rede municipal de São Paulo, as aulas voltam apenas no dia 15 de fevereiro. Já as escolas particulares da capital paulista podem retornar já nesta segunda-feira com o ano letivo. Muitas já abriram as portas para ações de acolhimento.