Rede de fake news que teria Carlos Bolsonaro será investigada pelo TSE

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) e outros aliados bolsonaristas serão investigados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por um esquema de fake news nas redes sociais. A decisão foi do ministro Benedito Gonçalves. O 02 de Jair tem o prazo de 3 dias para prestar contas com a justiça eleitoral sobre o uso das plataformas digitais para fins políticos.

O presidente Jair Bolsonaro também está na lista de investigados, que tem 28 perfis a serem avaliados pelo Tribunal.

O tribunal foi acionado pela coligação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que alega haver um ecossistema de desinformação, com diversos perfis agindo de forma coordenada para disseminar conteúdo falso na internet.

Gonçalves alerta que a divulgação de fake news ganhou contornos mais elaborados no pleito atual, em comparação com a corrida eleitoral de 2018.

Na decisão, o ministro aponta que o material apresentado pela campanha de Lula ao TSE “confere densidade a fatos públicos e notórios relativos à atuação nas redes de Carlos Bolsonaro e diversos apoiadores do atual presidente, fornece indícios de uma atuação concertada para a difusão massificada e veloz de desinformação, que tem como principal alvo o candidato Luiz Inácio Lula da Silva”.

De acordo com a decisão, as plataformas também devem suspender repasse de recursos pelo acesso para quatro canais bolsonaristas até o dia 31 de outubro, após a conclusão da segunda etapa da eleição.