Referência em câncer em SP, hospital A.C. Camargo deixará de atender pacientes do SUS

Entrada do Hospital A.C. Camargo no bairro da Liberdade, São Paulo (Foto: Getty Images)
Entrada do Hospital A.C. Camargo no bairro da Liberdade, São Paulo (Foto: Getty Images)

A partir de dezembro deste ano, o hospital A.C Camargo, em São Paulo, deixará de atender pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde). A instituição tem quase 70 anos de tradição no tratamento do câncer no estado.

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, mais de três mil pessoas em São Paulo aguardam vagas nos Cacons (Centros de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia), reguladas pela plataforma Cross (Central de Regulação de Serviços de Saúde).

De acordo com o hospital, o principal motivo para o fim dos atendidos públicos é a defasagem da tabela SUS para consultas, procedimentos e cirurgias. Isso faz com que a instituição tenha que aportar recursos próprios para cobrir o rombo. Outras áreas, como a da diálise, enfrentam crise parecida.

Ainda conforme informações da Folha de S. Paulo, no ano passado, a receita do SUS foi de R$ 36 milhões e o A.C. Camargo teve que colocar mais R$ 98,46 milhões, vindos dos atendimentos privados, para fechar as contas. A receita líquida da instituição em 2021 foi de R$ 1,32 bilhão.

De acordo com o hospital, cerca de 1.500 dos 6.500 pacientes do SUS acompanhados pelo A.C. Camargo já foram transferidos pela gestão municipal para centros oncológicos da capital pautas, e outros 5 mil devem ser encaminhados até dezembro.

A Secretaria Municipal de Saúde disse por meio de nota que foi informada pela instituição sobre a não renovação do contrato. O órgão afirmou que tem feito reuniões para avaliar uma possível continuidade da assistência por meio de parceira.

Sobre a falta de reajustes da tabela do SUS, o Ministério da Saúde diz que: “A tabela não constitui a principal e nem a única forma de financiamento do SUS".

Além disso, que "os valores são referenciais mínimos, podendo ser complementados pelos gestores estaduais e municipais, de acordo com as demandas e necessidades de cada território".