Reforma do Ensino Médio veio para ficar e vai mexer com a vida de muitos estudantes

Fuvest 2017/USP Imagens

A Reforma do Ensino Médio aprovada pelo Senado no último dia 8 e sancionada hoje por Michel Temer coloca novas perspectivas sobre o Ensino brasileiro. A Medida Provisória foi alvo de polêmicas e desentendimentos desde sua apresentação e agora promete não apenas mudar o panorama educacional, mas também profissional e, consequentemente, econômico do país. Como a medida pode alterar o ingresso no ensino superior no país?

Depois de muita discussão, a Medida Provisória, que já nasce com status de lei, determina que o ensino médio será dividido em áreas de conhecimento com cargas horárias específicas para cada tipo de curso a ser determinado pelas escolas públicas e escolhido por alunos. Esses cursos agora serão conhecidos como Itinerários formativos, caminhos diferentes para a formação educacional de acordo com as predileções profissionais e/ou culturais de cada estudante.

1) Linguagens e suas Tecnologias
2) Matemática e suas Tecnologias
3) Ciências da Natureza e suas Tecnologias
4) Ciências Humanas e Sociais Aplicadas
5) Formação Técnica e Profissional

Essa divisão foi um dos maiores alvos de polêmica. Antes da Medida Provisória, não havia nenhuma norma que determinasse quais matérias seriam obrigatórias no ensino brasileiro. Apenas a Lei de Diretrizes e Bases citava a obrigatoriedade de português, matemática, artes, educação física, filosofia e sociologia nos três anos do ensino médio.

O currículo específico pode ser benéfico para algumas áreas profissionais e do conhecimento, mas é um empecilho ao modelo dos vestibulares oferecidos nas principais universidades públicas brasileiras. “Hoje existe uma deficiência na formação do ensino médio, principalmente na escola publica. O estudante tem falhas enormes de formação escolar. E não é só isso! Escolar, cultural, social, econômica etc. Esse aluno chega à universidade com muitos problemas e é muito difícil que o ensino superior transforme esse aluno diante das falhas acumuladas ao longo do ensino” explica o Professor Doutor Oscar Hipólito, vice-presidente da Laureate Brasil.

“A Reforma do Ensino Médio pode afetar os vestibulandos e os vestibulares no sentido de que os itinerários vão ter que alterar a forma como se faz o ENEM, por exemplo. Provavelmente o ENEM vai ficar vinculado aos itinerários. O problema disso é que tem cursos de nível superior que vão exigir mais de um itinerário. Por exemplo, não dá para você ser médico sem ter uma formação muito sólida nas ciências humanas e também nas ciências da natureza. E obviamente em língua portuguesa, matemática e inglês. Porque o desempenho do trabalho médico precisa de uma formação mais global para que seja um médico ético, capaz de compreender os problemas da sociedade. Então, na verdade essa Medida Provisória vai mediocrizar o processo de ingresso no ensino superior. E não vai fazer isso buscando medidas de democratização do ensino superior, como é o ENEM, reformado recentemente”, avalia Daniel Cara, coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

Para o Professor Doutor Oscar Hipólito, os vestibulares deverão se adequar a nova realidade, assim como acorreu na implantação de modelos anteriores. “No passado já tivemos um ensino médio diferente, não como esse modelo. Antes do “colegial”, tínhamos o Científico e o Clássico. O primeiro era voltado para saúde e exatas, o segundo para humanas. Os vestibulares eram mais segmentados. Mesmo no colegial você já podia escolher. Então, o vestibular acabou se moldando ao modelo do ensino médio da época. Porque eu não posso fazer um exame generalista para um aluno que vai prestar algo especifico como humanas”, explica o vice-presidente da Laureate Brasil.

Entretanto, as mudanças no sistema de ensino podem não ser tão simples quanto ao acesso ao ensino superior por todas as camadas da população. “A Reforma do Ensino médio afeta os vestibulandos, pois é como se o ensino médio brasileiro fosse a primeira etapa do ensino superior e não a última etapa de supervisor, uma vez que o seu currículo estará focado no trabalho e nas escolhas feitas pelo indivíduo”, exemplifica a professora de Pedagogia Cristine Gandolfi, da Universidade Metodista de São Paulo.

Como consequência, os processos seletivos para o ensino superior podem tornar-se ainda mais inacessíveis para aqueles que não conseguirem se beneficiar da Reforma do Ensino Médio, de acordo com as expectativas do Governo Federal. “Somente serão atingidos os alunos de escola pública, a classe desfavorecida. Grande parte de alunos do Ensino Médio são alunos trabalhadores, que estudam  no período noturno. Esses são os mais excluídos porque evadem na metade do ciclo. A pergunta a ser feita é: O vestibular (ENEM), ou melhor, o acesso a universidade pública, continuará aprovando somente a classe alta? Essa reforma não altera em nada essa situação”, afirma Cláudia Coelho Hardagh, professora do programa de pós-graduação em Educação, Arte e História da Cultura, da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

“Possivelmente o ensino superior sofrerá vários impactos com a reforma, uma vez que o jovem definirá que carreira seguir. Fato que contribui com a reprodução no mercado de trabalho e nas formas de vida já vivenciadas junto aos seus.”, completa Cristine Gandolfi, da Universidade Metodista de São Paulo.

Por Vitor Valêncio.