Reforma tributária: 'Nada está descartado', diz líder no Senado sobre criação de imposto similar à CPMF

Isabella Macedo

BRASÍLIA - O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo no Senado, afirmou no fim da manhã desta quarta-feira que "nada está descartado" nas sugestões que o Executivo deve enviar para compor o debate da no Congresso a partir do ano que vem. A declaração foi feita após ele ser indagado sobre a criação de um novo imposto nos moldes da antiga CPMF. Segundo o senador, o grande desafio é o cálculo das alíquotas.

- Não está nada descartado. O grande drama nessa proposta de IVA (Imposto sobre Valor Agregado) e imposto sobre consumo é o tamanho da alíquota, como vai criar um imposto comum tanto para serviços quanto para o setor industrial e comercial. O grande desafio é calibrar o tamanho das alíquotas, e por isso que não se descarta nenhuma alternativa que possa ser trazida à mesa – afirmou o líder.

O Imposto sobre Valor Agregado (IVA) em debate seria um imposto único para substituir diversos tributos que atualmente são cobrados nas esferas municipal, estadual e federal. Apesar de não descartar a discussão de uma nova CPMF, Bezerra Coelho disse que o ponto não deve ser tratado logo a princípio.

- Todo mundo está desafiado a encontrar uma solução sem o imposto de transação - completou.

Bezerra Coelho participou de reunião no Ministério da Economia na manhã desta quarta-feira com o ministro Paulo Guedes, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

A discussão em torno da reforma tributária que seria enviada pelo governo se arrasta desde o meio deste ano. As duas Casas atualmente discutem a ideia em propostas diferentes. O governo prometeu enviar seu próprio projeto, mas de acordo com o senador pernambucano, não enviará um texto formal, e sim sugestões.

O tema será tratado em uma comissão especial mista, com previsão de instalação nesta quinta-feira. O colegiado será formado com 15 deputados e 15 senadores e será presidido pelo senador Roberto Rocha (PSDB-MA). A relatoria ficará com Aguinaldo Ribeiro (PP-AL), que relata o projeto da Câmara.