Reforma tributária ou vai sair bem feita ou não vai sair, diz Guedes

·2 minuto de leitura
Miniatro Paulo Guedes

Por Ricardo Brito e Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta-feira que a reforma tributária ou será bem feita ou não sai ao afirmar que é "conversa" a discussão sobre um eventual aumento de imposto com a proposta, embora tenha reafirmado a sua intenção de introduzir a taxação de dividendos.

"Reforma tributária nunca sai do jeito que a gente quer... ou vai sair bem feita ou não vai sair. Não vai ter esse negócio de aumentar imposto, isso é conversa, não vai ter isso não", disse Guedes em webinar organizado pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Em sua fala, o ministro voltou a defender o Imposto de Renda sobre dividendos. Ele ressalvou que seria muito bonito, por elegância teórica, fazer a tributação antes e deixar a estrutura financeira neutra, mas reconheceu que socialmente é muito difícil de explicar.

Atualmente, não há tributação sobre dividendos e o texto enviado recentemente pelo governo prevê uma taxação em 20%.

"O imposto sobre dividendos está entre 20% e 40% no mundo inteiro, e no Brasil é zero", disse ele, no encontro.

"A empresa é uma abstração, teoricamente o imposto poderia ser zero sobre a empresa. Mas, na verdade, a renda sobre os mais ricos --não interessa se ela vem de salário, de aluguéis, de bônus milionários ou de dividendos-- ela deveria cair no progressivo e ponto final", destacou ele.

O ministro disse que até há tecnologia para se fazer "tudo direito", mas avaliou que no mundo real "tudo é mais difícil", citando lobby e pressões.

Em meio a críticas sobre a proposta de reforma tributária do governo, Guedes defendeu nesta semana o texto em comissões da Câmara dos Deputados e também em um almoço com importantes empresários brasileiros em São Paulo.

Aos empresários, o ministro assegurou na quinta-feira que eventuais distorções da reforma tributária --encaminhada recentemente pelo governo ao Congresso Nacional-- serão corrigidas, segundo uma fonte relatou à Reuters. Ele manteve, entretanto a disposição de taxar dividendos, conforme a fonte. [L2N2OL0YS]

EXTRAORDINÁRIO

No webinar de sexta, Guedes disse que o ex-presidente Roberto Castello Branco fez um trabalho "extraordinário" no comando da Petrobras.

"Castello fez um trabalho extraordinário à frente da Petrobras, não tenho nenhuma observação", destacou.

Indicado por Guedes para comandar a petrolífera desde o início do governo Bolsonaro, Castello Branco deixou a estatal no início do ano em meio a críticas do presidente em relação aos sucessivos aumentos de preços dos combustíveis no país pela companhia, a despeito de eles serem diretamente influenciados pela cotação internacional do barril de petróleo e pelo câmbio.

Bolsonaro colocou no lugar dele o general Joaquim Luna e Silva, que comandava Itaipu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos