Região etíope do Tigré em 'sério risco' de fome, diz funcionário da ONU

·2 minuto de leitura
Mulher etíope carrega saco de trigo durante a distribuição de alimentos do governo etíope em Alamata, em 11 de dezembro de 2020

Um alto funcionário da ONU alertou o Conselho de Segurança nesta terça-feira (25) que medidas urgentes são necessárias para evitar a fome na região etíope do Tigré, devastada pela guerra, em uma sessão informativa acompanhada pela AFP.

“Há um sério risco de fome se a assistência não aumentar nos próximos dois meses”, escreveu Mark Lowcock, subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários e Coordenador de Ajuda de Emergência da ONU.

Mais de seis meses depois que o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, lançou o que ele chamou de uma operação militar "rápida", os combates e os abusos continuam no Tigré, onde a ameaça da fome ronda por vários meses.

“São necessárias medidas concretas com urgência para quebrar o ciclo vicioso entre conflito armado, violência e insegurança alimentar”, disse Lowcock em nota de 2,5 páginas.

O funcionário britânico pediu ao conselho "que tome todas as medidas possíveis para evitar a ocorrência da fome". “Hoje, pelo menos 20% da população daquela área enfrenta insegurança alimentar emergencial”, disse.

"Nos seis meses e meio desde o início do conflito no Tigré, no início de novembro de 2020, cerca de dois milhões de pessoas foram deslocadas. Há civis mortos e feridos", acrescentou Lowcock.

“Os estupros e outras formas de violência sexual abomináveis são generalizadas e sistemáticas. A infraestrutura pública e privada foi destruída, incluindo o que é essencial para a sobrevivência da população civil, incluindo hospitais e terras aráveis”, alertou.

Ele estimou que “mais de 90% da colheita foi perdida devido a saques, queimadas ou outras formas de destruição, e que 80% do gado da região foi saqueado ou abatido”.

“Apesar de uma melhora em março e da cooperação das autoridades em nível local, o acesso humanitário em geral se deteriorou recentemente”, escreveu Lowcock.

“As operações humanitárias são atacadas, obstruídas ou sofrem atrasos na entrega da ajuda que salva vidas. Oito trabalhadores humanitários morreram no Tigré nos últimos seis meses”, disse ele.

prh/jh/bgs/yow/dga/jc/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos