Região italiana do Piemonte suspende aplicação de vacina da AstraZeneca

·1 minuto de leitura

ROMA (Reuters) - O governo da região de Piemonte, no norte da Itália, anunciou neste domingo suspensão temporária de aplicação de vacinas contra o coronavírus da AstraZeneca depois que um professor da cidade de Biella morreu após ser vacinado no sábado.

A decisão, seguindo movimentos semelhantes em outras partes da Europa, foi cautelosa e a região aguarda os resultados das análises do lote que foi usado e se há uma conexão entre a morte e a vacinação, disse o governo regional em comunicado.

O governo não informou como o professor morreu.

“É um ato de extrema prudência, enquanto verificamos se há uma conexão. Não houve problemas críticos com a administração de vacinas até agora”, disse Luigi Genesio Icardi, chefe dos serviços regionais de saúde, em comunicado. A autoridade médica italiana Aifa proibiu na quinta-feira o uso de um lote da vacina da AstraZeneca. Fontes disseram à Reuters que a decisão foi tomada após a morte de dois homens na Sicília.

Autoridades na Dinamarca, Noruega e Islândia suspenderam o uso da vacina por causa de problemas de coagulação, enquanto a Áustria parou de usar um lote de vacinas AstraZeneca na semana passada enquanto investiga uma morte por distúrbios de coagulação.

A Agência Européia de Medicamentos disse que não há indícios de que os eventos tenham sido causados ​​pela vacinação, uma visão que foi compartilhada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) na sexta-feira. A AstraZeneca também disse que não encontrou nenhuma evidência de aumento do risco de trombose venosa profunda.

A Irlanda também suspendeu temporariamente a vacina da AstraZeneca "por excesso de cautela" no domingo, citando relatórios da Agência Norueguesa de Medicamentos sobre um grupo de coagulação sanguínea grave em alguns receptores.

(Por Giulia Segreti)