Regina Duarte procura Carla Zambelli para ajudar em 'saída honrosa' do governo

TALITA FERNANDES, GUSTAVO URIBE E MÔNICA BERGAMO
Regina Duarte ao lado de Bolsonaro em cerimônia de posse como Secretária Especial de Cultura, 4 de março de 2020. Foto: Andre Borges/NurPhoto via Getty Images

Em meio a processo de fritura, a atriz Regina Duarte recorreu a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) para tentar construir uma saída honrosa da Secretária Especial da Cultura.

Regina está trabalhando desde a semana passada em um projeto para a produção de vídeos que têm como objetivo apresentar as atividades já executadas na pasta. Ela tomou posse em março.

Leia também

Além de Zambelli, de quem Regina é amiga, ela conta com o apoio do secretário de Assuntos Especiais da Presidência da República, contra-almirante Flávio Rocha.

A deputada federal deverá indicar nomes para a Cultura, uma vez que as escolhas feitas por Regina foram derrubadas por ela mesma ou pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

De acordo com um ex-aliado da atriz, Regina tem agido de maneira intempestiva e se isolado dos seus principais apoiadores.

No fim de semana passado, deixaram a Secretaria Especial de Cultura o secretário-adjunto Pedro Horta. A assessora de imprensa Renata Giralda também foi demitida.

Segundo relatos feitos a reportagem os dois aliados se desentenderam após a entrevista de Regina à emissora CNN Brasil. Nela, a conversa foi interrompida, após o que a secretária chamou de chilique.

Pessoas próximas à secretária dizem que Regina está construindo uma saída elegante do governo do presidente. Bolsonaro tem deixado claro que a secretária está em processo de fritura pública.

A atriz foi aconselhada a passar por um processo de media trainning. Contudo, este treinamento será feito por um advogado criminalista, e não um profissional de comunicação.

Essa saída foi desenhada com o auxílio de Zambellli e Rocha para que Regina esteja preparada a responder a questionamento. Isso leva em conta argumentos jurídicos.

De acordo com pessoas próximas à pasta, a Secretaria Especial da Cultura está vivenciando uma espécie de intervenção da deputada bolsonarista.

Na visão da ala ideológica do governo, Regina não atendeu as expectativas de retirar nomes ligados à esquerda do setor cultural. Esse é um temo caro a Bolsonaro e aos olavistas.

A atriz enfrenta dificuldade direta com o presidente da Fundação Camargo, Sérgio Camargo. Ele foi mantido no cargo à revelia da vontade da secretária.

Com a tutela de Zambelli, a ideia é criar um ambiente de transição para que Regina saia do governo de forma pacífica. Para isso, ela aceitou o suporte de duas alas importantes do governo: a ideológica, representada pela secretária, e a militar, com Rocha.

Regina chegou a fazer uma apresentação para Bolsonaro sobre seus planos para a cultura. Ela, no entanto, não convenceu o presidente sobre sua gestão.

Na visão dele, a atriz, por não intensificar a guerra cultura e ideológica, não o satisfez. Nesta terça-feira (19), o presidente postou um vídeo nas redes sociais em que o ator Mário Frias diz estar à disposição para substituir a atriz no órgão.

"Pro Jair, cara, o que ele precisar eu tô aqui. Eu torço demais pra Regina, eu sou fã dela, mas pelo Brasil eu tô aqui, o que for preciso", disse o ator à CNN no começo de maio, sobre a possibilidade de assumir o órgão. "Respeito o Jair demais, vejo o Brasil com chance de finalmente ser respeitado", afirmou, no vídeo postado por Bolsanaro.

Ainda nesta terça, o presidente levou Frias para um almoço com presidentes de Flamengo e Vasco. O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente, também participou do encontro

Como mostrou a Folha de S.Paulo em abril, Bolsonaro deu aval a aliados para que façam críticas públicas à gestão de Regina. Há dois meses no cargo a atriz ainda não apresentou um programa robusto de emergência para o setor cultural.

Agora, artistas e gestores se apoiam em iniciativas do Congresso para buscar uma solução para o meio, fortemente afetado pela pandemia do novo coronavírus.

Nesse contexto, a Folha de S.Paulo publicou na terça (18) que artistas passaram a conversar com congressistas para levar adiante a aprovação do que vem sendo chamado de Lei Emergencial da Cultura.

A proposta relatada pela deputada federal Jandira Feghali (PC do B-RJ) é a junção de quatro projetos que estavam no Congresso. A iniciativa vem sendo articulada por Jandira e um grupo de congressistas com a participação de artistas e de secretários estaduais e municipais de Cultura de todo o país.

Entre as propostas estão auxílios para artistas, repasses de R$ 10 mil para centros culturais e modificações nos prazos de prestação de contas, pagamento de tributos, além da concessão de crédito a juro zero e com prazo de até três anos para pagamento.

Há ainda um plano para a descentralização dos recursos, ou seja, repasse direto para as secretarias de Cultura de estados e municípios.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.