Regina Duarte tem 13 dias para pedir desculpas a Lula e filhos

O Globo
·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO — Regina Duarte tem 13 dias para se retratar publicamente em seu perfil no Instagram por ter propagado uma notícia falsa sobre a ex-primeira dama Marisa Letícia Lula da Silva, morta em 2017. rel="external" href="https://blogs.oglobo.globo.com/ancelmo/post/regina-duarte-tera-de-se-retratar-familia-lula-da-silva-por-fake-news-sobre-dona-marisa.html">Como antecipou o colunista do GLOBO Ancelmo Gois nesta segunda-feira, o juiz Manuel Eduardo Pedroso Barros, da 12ª Vara Cível de Brasília, condenou parcialmente a atriz em processo ajuizado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seus filhos em 2020. Em abril do ano passado, quando ocupava o cargo de secretária nacional de Cultura do governo de Jair Bolsonaro, ela publicou afirmação de que foram encontrados R$ 256 milhões em uma conta da ex-primeira-dama. O valor correto era de R$ 26.281,74. Cabe recurso da decisão.

Na sentença, o juiz determinou 15 dias, a partir da última segunda-feira (26/04), para que a retratação seja publicada na conta de Regina Duarte no Instagram. Se não cumprir a decisão, a atriz pode receber multa diária de R$ 150, até o máximo de R$ 50 mil. Em sua argumentação, o magistrado diz que Regina "propalou fake news a respeito do patrimônio da falecida Marisa Letícia", mas entendeu que ela foi "induzida a erro" pelo fato de o valor errado ter sido informado pela Justiça, e não concedeu a indenização pedida por Lula e seus filhos. O magistrado, porém, considerou que há necessidade de retratação.

Até a tarde desta terça-feira, a atriz de 74 anos ainda não havia postado o pedido de desculpas. Em sua conta na rede social, tem se dividido entre fotos de crianças, gatos e flores, mensagens de apoio a Bolsonaro e postagens negacionistas, que contestam o isolamento social e os números de mortos pela pandemia. Há uma semana, Regina postou uma foto sua recebendo a segunda dose da vacina contra o Covid-19. Há cerca de 20 dias, publicou mensagem de apoio ao ator Paulo Gustavo, que luta para se recuperar do coronavírus.

Em 2020, a atriz encerrou relação contratual que tinha com a Rede Globo desde 1969, e assumiu a secretaria de Cultura do governo de Jair Bolsonaro no dia 4 de março. Sua gestão foi breve e ela ocupou o cargo por apenas 77 dias, após um intenso processo de fritura política. Foi afastada com a promessa de Bolsonaro de ser deslocada para o comando da Cinemateca Brasileira, em São Paulo, o que não aconteceu até hoje.

A reportagem tentou contato com Regina Duarte e seus advogados, mas até o momento não obteve retorno.