Rei Charles 3º viaja à Irlanda do Norte e encara tensões geradas pelo brexit

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O rei Charles 3º e a rainha consorte, Camilla, visitaram nesta terça-feira (13) a Irlanda do Norte como parte do roteiro de homenagens à rainha Elizabeth 2ª, em momento que o país atravessa tensões políticas e tenta solucionar conflitos não resolvidos decorrentes do brexit.

Nesta tarde, a realeza viaja a Belfast para assistir a um serviço religioso na catedral da cidade, mas antes passará pelo Castelo de Hillsborough para encontro com autoridades.

A maior parte da população votou contra a saída do Reino Unido da União Europeia no referendo de 2016. O Partido Conservador, no entanto, assinou um acordo complementar ao brexit, chamado Protocolo da Irlanda do Norte, que estabeleceu controles alfandegários entre Irlanda do Norte e Grã-Bretanha.

O tratado busca amenizar os efeitos do divórcio entre Reino Unido e UE as duas Irlandas, já que a parte nordeste da ilha saiu do bloco junto com os britânicos, enquanto a do sul, a República da Irlanda, continua no mercado europeu. Para unionistas irlandeses, leais às tradições britânicas, Elizabeth 2ª era um símbolo de temperança e união. Já para os nacionalistas, a Coroa representa a dominação sobre as gerações anteriores.

Menos popular que a mãe, Charles 3º terá de se esforçar para seguir os passos da rainha —ela participou ativamente do processo de pacificação da Irlanda do Norte e era considerada um símbolo de união e paz. Em maio,o partido nacionalista Sinn Féin as eleições parlamentares do país. O partido, que defende a união das Irlandas, não compareceu à proclamação de Charles no Castelo de Hillsborough no domingo (11).