Rei Charles III irá administrar R$ 108 bilhões para a família real britânica; entenda

King Charles III views the coffin of Queen Elizabeth II in Westminster Hall, London, where it will lie in state ahead of her funeral on Monday. Picture date: Wednesday September 14, 2022.
O rei Charles III é o novo soberano do Reino Unido (foto: AP)

Resumo da Notícia:

  • Rei Charles III é o soberano do Reino Unido e dos territórios da Commonwealth

  • Aos 73 anos ele assume a coroa e administrará a fortuna da família

  • Na próxima segunda-feira (19) acontecerá o velório e sepultamento da rainha Elizabeth II

Há exata uma semana ocupando o trono do Reino Unido, o rei Charles III terá que administrar cerca de R$ 108 bilhões que fazem parte da fortuna da família real pelos anos que permanecer no comando. Essa é uma das atribuições que ele assumiu com a morte da mãe, cujo corpo será velado e sepultado na próxima segunda-feira (19).

A morte da rainha Elizabeth II, no último dia 8, não mudou apenas a moeda, os documentos, o hino, os selos e outros detalhes do Reino Unido, mas também toda a organização financeira da corte real que conta com mais de 100 membros. As informações são da Bloomberg.

Entre os bens que são transferidos automaticamente entre todos os membros sênior desde 1337 constam diversas propriedades em toda a ilha, escritórios por toda a Londres, uma prisão, um complexo de energia eólica no oceano e até grande parte do fundo do mar que cerca o Reino Unido.

Como monarca, Charles III é o novo proprietário do Ducado de Lancaster, um dos maiores da Inglaterra. Ele ainda terá acesso ao Crown Estate, o maior fundo de investimentos ligados à monarquia britânica. Seu antigo Ducado, da Cornualha, foi passado ao novo príncipe da Gales, William, o primeiro na linha de sucessão ao trono.

O Ducado e o Crown Estate são os responsáveis por gerir os cerca de R$ 108 bilhões em ativos em nome da monarquia. Os dividendos da família real aumentaram cerca de 70% nos últimos 10 anos e eles se tornaram uma importante fonte de renda para a Inglaterra com os casamentos reais, por exemplo.

Para 2022 e 2023, a família deve ser mantida com cerca de R$ 516 milhões, que representa algo como um quarto dos lucros anuais do Crown Estate. Mas nem tudo é esbanjar, já que 47% deste valor é usado para manter os palácios reais e 24% para o pagamento do staff, ou seja, 71% do orçamento é usado para manter o que já existe.

A família real gasta apenas 7% dos valores com viagens e outras despesas, sendo que apenas uma delas é de cunho pessoal. Outros 12% dos gastos são destinados para despesas extras descriminadas como “outras” no Relatório de Subsídios Soberanos de 2021-22.