Rei Charles III é exposto e mania questionável do monarca de 73 anos surpreende

Britain's King Charles III reacts as he meets members of the Westend Gospel Choir after a ceremony commemorating the 50th anniversary of the Resettlement of British Asians from Uganda, at Buckingham Palace in London on November 2, 2022. (Photo by ISABEL INFANTES / various sources / AFP) (Photo by ISABEL INFANTES/AFP via Getty Images)
Rei Charles III terá vida exposta em livro (Photo by ISABEL INFANTES/AFP via Getty Images)

Resumo da Notícia:

  • Rei Charles III assumiu o trono após a morte da rainha Elizabeth II

  • Um livro biográfico conta segredos da época que o monarca era príncipe

  • O líder da monarquia quebrou uma janela por preguiça de abri-la

Parece que o Rei Charles III não terá um começo de mandato dos mais tranquilos. Além da transição de governo no Reino Unido, ele também terá que lidar com revelações do livro “The King: The Life of Charles”, que será lançado no dia 8 de novembro.

Escrito por de Christopher Andersen, a obra tem tirado o sono da monarquia porque revela coisas íntimas da vida do novo rei. Uma delas é que o monarca quebrou uma janela apenas porque queria ar fresco. “Você tem que entender: o príncipe está acostumado a conseguir o que quer. E ele queria um pouco de ar fresco”, disse uma fonte ao autor.

Outra revelação é a de que o rei dormia, pelo menos até os 40 anos, abraçado com um urso de pelúcia que tratava como um dos filhos - ele é pai de William e Harry.

O monarca, enquanto príncipe de Gales, designou dois funcionários do seu círculo íntimo para cuidar do brinquedo na sua ausência. Foram escolhidos o ex-manobrista Michael Fawcett e a ex-babá da família real, Mabel Anderson, que havia se aposentado há alguns anos, mas era o socorro de sua realeza.

“Ela [a ex-babá] era o único ser humano autorizado a levar linha e agulha para o ursinho. Você poderia pensar que era seu próprio filho fazendo uma grande cirurgia”, contou um funcionário do então príncipe ao pesquisador autor do livro biográfico.

Como se não bastasse o futuro rei dormir abraçado com um urso, o autor também revelou que ele não era o mais cordial da coroa no tratamento com os funcionários. Seu jardineiro-chefe recebia todos os dias uma carta com críticas ao seu trabalho, que era fiscalizado diretamente por Charles III.

“Para alguém que disse ter sofrido bullying quando era criança, o príncipe Charles claramente gostava de nos intimidar. Ele podia ser agradável e cortês, mas na maior parte do tempo era mal-humorado e malvado. Ele não pensava duas vezes antes de gritar insultos para você, se desse um passo errado”, relatou um ex-empregado.