Rei Charles promete seguir o exemplo da rainha ao ser proclamado monarca

Por Michael Holden e Kate Holton

LONDRES (Reuters) - O rei Charles prometeu neste sábado seguir o exemplo de sua falecida mãe ao ser oficialmente proclamado o novo monarca do Reino Unido em uma cerimônia histórica com pompa, tradição secular e gritos de "Deus salve o rei".

A morte da rainha Elizabeth, de 96 anos, na quinta-feira, após 70 anos no trono, colocou em prática planos estabelecidos há muito tempo e altamente coreografados para dias de luto nacional e um funeral de Estado que será realizado em pouco mais de uma semana.

Charles, 73, imediatamente sucedeu sua mãe, mas um Conselho de Adesão se reuniu no St James's - o palácio real mais antigo do Reino Unido, construído por ordem de Henrique VIII na década de 1530 - no sábado para proclamá-lo rei.

O conselho - formado por conselheiros privados cujo papel secular tem sido aconselhar o monarca - incluiu seu filho e herdeiro William, a esposa Camilla e a nova primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss, que assinou a proclamação de sua ascensão.

Seis ex-primeiros-ministros, bispos e vários políticos gritaram "Deus salve o rei" quando o anúncio foi aprovado.

"Estou profundamente ciente desta grande herança e dos deveres e pesadas responsabilidades da Soberania que agora passaram para mim", disse Charles.

“Ao assumir essas responsabilidades, devo me esforçar para seguir o exemplo inspirador que me foi dado ao defender o governo constitucional e buscar a paz, a harmonia e a prosperidade dos povos dessas ilhas e dos reinos e territórios da comunidade de nações em todo o mundo”.

Algumas centenas de pessoas foram autorizadas a entrar na quadra, incluindo crianças pequenas nos ombros dos pais, uma mulher segurando flores e idosos, muitos registrando o momento em seus smartphones.

POMPA REAL

Charles é o 41º monarca de uma linhagem que remonta ao rei Guilherme, o Conquistador, que conquistou o trono inglês em 1066. Os eventos deste sábado refletiram proclamações anunciando novos reis e rainhas que datam de centenas de anos.

Foi a primeira proclamação de um monarca a ser televisionada. E para a maioria dos britânicos, foi o primeiro evento desse tipo em sua vida, pois Elizabeth foi a única monarca que eles conheceram. O próprio Charles tinha apenas três anos quando ela se tornou rainha em 1952.

Após os eventos em St James's, uma banda militar liderou soldados, arautos e homens em trajes cerimoniais carregando estandartes e lanças, através de Londres até o Royal Exchange, o primeiro centro comercial da capital construído propositadamente, que remonta a 1566, onde a proclamação foi lida novamente.

O anúncio também deve ser entregue em outras capitais do Reino Unido - Edimburgo na Escócia, Belfast na Irlanda do Norte e Cardiff no País de Gales.

A morte de Elizabeth, a monarca com o reinado mais longo da Grã-Bretanha, provocou uma enxurrada de homenagens em todo o mundo. Edifícios e monumentos na Europa, América e África foram iluminados no vermelho, branco e azul do Reino Unido.

No parlamento, os congressistas fizeram fila para jurar lealdade ao novo rei, liderado pela presidente da Câmara dos Comuns, Lindsay Hoyle.

Pessoas começaram a se reunir novamente no sábado do lado de fora dos palácios reais, com milhares se reunindo no Palácio de Buckingham para prestar homenagem à rainha e a Charles. Do lado de fora do remoto castelo escocês, Balmoral, nas profundezas das montanhas escocesas, uma fila de pessoas esperando para soltar flores corria por mais de 500 metros.

"É um momento pungente na história do nosso país", disse o gerente de design Ian Bilboe, 54 anos. "(Estamos) aqui para fazer parte disso e mostrar respeito à falecida rainha e também ao novo rei."

Charles é rei e chefe de estado não apenas do Reino Unido, mas de 14 outros reinos, incluindo Austrália, Canadá, Jamaica, Nova Zelândia e Papua Nova Guiné.

'AVÓ DA NAÇÃO'

O Reino Unido declarou um período de luto até o funeral de Estado de Elizabeth, uma vez descrita por seu neto Harry como "a avó da nação".

A data não foi anunciada mas é esperado que ocorra em pouco mais de uma semana, e Charles anunciou no sábado que seria feriado.

Líderes de todo o mundo são esperados em Londres para o funeral, incluindo o presidente dos EUA, Joe Biden, que disse na sexta-feira que participaria.

A coroação de Charles como rei ocorrerá em uma data posterior - e o momento para isso ainda não está claro. Houve um intervalo de 16 meses entre Elizabeth se tornar rainha e sua coroação em 1953.

O novo rei prometeu na sexta-feira servir a nação com "lealdade, respeito e amor" em seu primeiro discurso televisionado à nação como rei.

Mais cedo nesta sexta-feira, retornando a Londres da Escócia, onde sua mãe morreu, ele foi recebido com aplausos, aplausos e uma multidão cantando "God Save The King" enquanto fazia sua primeira aparição pública fora do Palácio de Buckingham.

Charles também disse em seu discurso que fez de seu filho mais velho William, 40, o novo príncipe de Gales, o título que lhe pertence há mais de 50 anos e é tradicionalmente mantido pelo herdeiro do trono.

A esposa de William, Kate, torna-se princesa de Gales, um papel que foi cumprido pela falecida princesa Diana.

DEBATE SOBRE A MONARQUIA?

Elizabeth, que era a chefe de Estado mais velha e mais antiga do mundo, subiu ao trono após a morte de seu pai, o rei George VI, em 6 de fevereiro de 1952, quando ela tinha apenas 25 anos.

Ao longo das décadas, ela testemunhou uma mudança sísmica na estrutura social, política e econômica de sua nação. Ela ganhou elogios por guiar a monarquia no século 21 e modernizá-la no processo, apesar do intenso escrutínio da mídia e das dificuldades muitas vezes públicas de sua família.

Charles, que as pesquisas de opinião indicam ser menos popular que sua mãe, agora tem a tarefa de garantir o futuro da instituição.

"Embora reconheçamos que muitas pessoas estão refletindo sobre a perda da rainha, o Reino Unido precisa de um debate sobre o futuro da monarquia à luz da ascensão do rei Charles ao trono", Graham Smith, chefe do grupo antimonarquia República, disse.

Durante o longo reinado de Elizabeth, rumores republicanos surgiram algumas vezes, mas a afeição e o respeito que ela desfrutava significavam que nunca houve nenhuma ameaça séria à monarquia. Agora, os republicanos esperam que o fim da instituição de 1.000 anos possa estar um passo mais próximo.

(Tradução Redação Brasília, 55 11 5047-2695); REUTERS BC)