Na Irlanda do Norte, rei Charles presta homenagem ao papel pacificador da rainha

Rei Charles e rainha consorte no Castelo de Hillsborough

Por Padraic Halpin e Amanda e Ferguson

BELFAST (Reuters) - Uma multidão de simpatizantes saudou o rei Charles com apertos de mão e palavras calorosas quando ele visitou a Irlanda do Norte nesta terça-feira como parte de uma viagem ao Reino Unido para liderar o luto por sua mãe, a rainha Elizabeth.

O entusiasmo pelo novo monarca e as boas lembranças da rainha ficaram evidentes durante uma visita carregada de simbolismo e significado, dado o registro histórico do Reino Unido na Irlanda e os anos mais recentes de violência na Irlanda do Norte.

"Para a Irlanda do Norte, ela (a rainha) significou muito aqui. Como você sabe, infelizmente somos um país dividido, mas a rainha sempre esteve ao nosso lado", disse Joey McPolin, 77 anos, de Dramore.

"Nossos amigos aqui na Irlanda do Norte, todos nós queremos viver juntos, nós realmente queremos. Eu acho que pessoas de diferentes religiões reconhecem o trabalho maravilhoso que ela fez. Eu realmente espero que todos avancemos e apoiemos nosso rei", afirmou ela.

Na Escócia, o caixão da rainha Elizabeth estava na Catedral de St Giles, em Edimburgo, onde milhares de pessoas passaram para prestar suas últimas homenagens.

O caixão seria levado de avião para Londres ainda nesta terça-feira, para quatro dias de cerimônias antes de um funeral de Estado na segunda-feira.

Elizabeth morreu na quinta-feira em sua casa de férias no Castelo de Balmoral, na Escócia, aos 96 anos, mergulhando a nação no luto por uma monarca que reinou por 70 anos e foi uma parte importante da vida britânica.

Charles, de 73 anos, que automaticamente se tornou rei do Reino Unido e de 14 outros reinos, incluindo Austrália, Canadá e Jamaica, está viajando para as quatro partes do Reino Unido antes do funeral.

Na Irlanda do Norte, milhares de pessoas fizeram fila nas ruas do lado de fora do Castelo de Hillsborough, a residência oficial do monarca, para recebê-lo. Ele saiu de seu carro para apertar a mão de simpatizantes, que cantavam "Deus salve o rei".

Mais tarde, Charles encontrou políticos e líderes religiosos no castelo, dizendo-lhes em um discurso que buscará o bem-estar do povo da Irlanda do Norte. Ele também prestou homenagem à mãe.

"Minha mãe viu a Irlanda do Norte passar por mudanças importantes e históricas. Ao longo de todos esses anos, ela nunca deixou de orar pelos melhores tempos para este lugar e para seu povo, cujas histórias ela conhecia, cujas dores nossa família sentia e por quem tinha grande afeição e consideração."

"Minha mãe sentiu profundamente, eu sei, o significado do papel que ela mesma desempenhou ao reunir aqueles que a história separou e ao estender a mão para tornar possível a cura de feridas antigas", disse ele.

Um poderoso símbolo da união, a rainha em seus últimos anos tornou-se uma grande força de reconciliação com seus rivais nacionalistas irlandeses, com a visita de Estado à Irlanda em 2011, a primeira de um monarca em quase um século de independência.